Sociedade

Crise: Portugal “herói-surpresa” para o Financial Times

Portugal é o "herói-surpresa" da Zona Euro no que toca à recuperação económica. É o que escreve o prestigiado jornal britânico Financial Times (FT) que, este domingo, deu destaque ao crescimento das exportações e à prosperidade do turismo.
Versão para impressão
Portugal é o “herói-surpresa” da Zona Euro no que toca à recuperação económica. É o que escreve o prestigiado jornal britânico Financial Times (FT) que, este domingo, deu destaque ao crescimento das exportações e à prosperidade do turismo em território nacional, as principais alavancas para a saída do País da recessão financeira.
 
“As despedidas por entre lágrimas tornaram-se uma realidade comum no aeroporto de Lisboa. Três anos de austeridade castigadora e profunda recessão desencadearam um êxodo que levou à saída de cerca de 200 jovens licenciados e outros cidadãos portugueses do País por dia”, começa o artigo do Financial Times da autoria do jornalista Peter Wise. 
 
Porém, destaca a publicação, não muito longe, nos terminais de carga do aeroporto e nos centros comerciais sempre concorridos, conta-se uma outra história que está a transformar o país no “herói-surpresa” da recuperação na Europa: “os níveis recorde de crescimento das exportações e do turismo”.
 
A peça salienta “o crescimento homólogo de 1,6% [da economia portuguesa] no último trimestre de 2013”, que ultrapassou o de todos os outros membros da Zona Euro, “incluindo a Alemanha” e que, também trimestre anterior, em que o crescimento foi de 0,5%, Portugal foi apenas ultrapassado pela Holanda e “deitou por terra as previsões dos economistas, que contavam com um aumento de apenas 0,1%”.
 
Citado pelo FT, Christian Schulz, economista do banco alemão Berenberg, descreve Portugal como “a nova estrela em crescimento” da Zona Euro, realçando as enormes “reformas estruturais” a que a crise obrigou os países periféricos da Europa, como Portugal, no sentido de aumentar a competitividade nas exportações. 
 
A mesma opinião é partilhada por Ralph Solveen, economista do Commerzbank, o segundo maior banco privado da Alemanha. “Portugal, e não Espanha, é a maior surpresa positiva da periferia da Zona Euro”, considera, explicando que, ao contrário do que aconteceu no país vizinho, “a taxa de desemprego já diminuiu significativamente e o emprego aumentou desde a Primavera” de 2013.

Calçado é exemplo do sucesso das exportações
 

O Financial Times nomeia como exemplo do sucesso das exportações e do dinamismo da economia a indústria do calçado que, através do aeroporto da Portela, envia pares de sapatos individuais a consumidores de topo, “incluindo a realeza britânica e celebridades como David Beckham ou Madona” e que aumentou, o ano passado, as vendas para o estrangeiro em 8%.
 
Segundo o jornal, que cita Jorge Correia, fundador da Helsar, companhia portueunse de calçado, as empresas portuguesas do sector transformaram-se “ao investir no design, na tecnologia e na marca” e, “no mundo dos sapatos, a etiqueta 'Made in Portugal' já vale quase tanto como a 'Made in Italy' em termos de prestigío internacional e de preços de fábrica”. 


Artigo publicado no Financial Times descreve Portugal como o “herói-surpresa” da recuperação económica na Zona Euro
 

Outros sectores estão, de acordo com o artigo de Peter Wise, “a subir na cadeia de valores”, uma estratégia há muito tempo defendida por Portugal mas que só começou a tomar forma sob o pesado programa de ajuda financeira de três anos acordado com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional em Maio de 2011. 
 
Para o FT, o crescimento da competitividade ajudou Portugal a aumentar as exportações não só dentro da União Europeia, “onde vende 60% dos seus produtos”, mas também “em mercados em desenvolvimento, em particular o Brasil, a Rússia e os países africanos”.
 
“Ao mesmo tempo”, acrescenta a publicação, “as indústrias de alto valor, como as da eletrónica, engenharia mecânica e automóvel, estão também a ganhar relevância na económica, sobrepondo-se a sectores tradicionais como o têxtil e a indústria alimentar”. 

Lucros recorde no sector do turismo
 

Ao incremento das exportações junta-se a crescente atração de turistas estrangeiros: em Julho do ano passado, quando o País se encontrava “na pior situação económica dos últimos 40 anos”, abriu no aeroporto lisboeta “uma nova área comercial 'chic' com 20 lojas” para satisfazer o crescente influxo de visitantes, somando-se recordes em termos de lucros do sector do turismo.
 
Apesar deste tom elogioso e dos “sinais positivos” que indicam que a economia irá emergir, ainda este ano, de três anos consecutivos de recessão, com uma previsão de crescimento de 0,8% ou mais, o FT admite que muitos portugueses continuam descrentes em melhorias imediatas na sua vida quotidiana. 
 
“Quando voltarem, e se voltarem, os jovens emigrantes que hoje dizem adeus [a Portugal] poderão ser os melhores juízes no que toca a decidir se as mudanças alcançadas valeram o alto preço a pagar”, conclui o artigo.

Clique AQUI para aceder ao artigo publicado no Financial Times (em inglês). 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close