Saúde

“Coração” impresso em 3D salva vida de menina

Médicos norte-americanos salvaram a vida de uma menina de quatro anos graças à impressão de um modelo do seu coração em três dimensões. Com recurso à impressão 3D, a equipa conseguiu planear em detalhe uma cirurgia pioneira.
Versão para impressão
Médicos norte-americanos salvaram a vida de uma menina de quatro anos graças à impressão de um modelo do seu coração em três dimensões. Com recurso à impressão 3D, a equipa conseguiu planear em detalhe uma cirurgia pioneira que permitiu a Adanelie Gonzalez recuperar de um defeito cardíaco congénito.
 
Desde que nasceu que Adanelie enfrentava sérios problemas cardiovasculares devido a uma doença rara que afeta as veias que ligam o coração aos pulmões, fazendo com que o sangue seja bombeado para locais indevidos do organismo e causando dificuldades respiratórias e um enfraquecimento do sistema imunitário.
 
Depois de duas operações complicadas que apenas funcionaram como reparações temporárias e com a saúde da menina a deteriorar-se, os especialistas do Miami Children's Hospital, hospital pediátrico localizado nos EUA, temiam que nada mais houvesse a fazer, até que se lembraram de recorrer à tecnologia da impressão 3D. 
 
A equipa, coordenada pelos cardiologistas pediátricos Redmond Burke e Nancy Dobrolet, recolheu imagens de ressonância magnética e de tomografias e, com a ajuda de um engenheiro biomédico, reformataram-nas e transformaram-nas em ficheiros de imagens capazes de ser lidos por uma impressora 3D, que imprimiu um modelo do coração da menina.
 
“Achei que poder segurar e manipular uma réplica flexível a três dimensões do coração desta criança iria ajudar-me a planear a cirurgia, que nunca tinha sido feita, e a criar os 'retalhos' necessários, com a forma e as dimensões exatas, para restaurar as suas veias pulmonares defeituosas”, explica Burke, diretor do serviço de cardiologia do hospital, em comunicado.  
 
Com a impressão do modelo 3D, o cirurgião conseguiu estudar aprofundadamente o coração, manipular as veias e explorar possíveis soluções para o problema antes de entrar no bloco operatório. 
 
“A impressão 3D constitui-se como uma nova ajuda no tratamento de situações complexas em que se julga que uma intervenção cirúrgica não é possível. No caso da Adanelie, o modelo 3D proporcionou-nos a oportunidade de criar uma opção cirúrgica para a sua sobrevivência”, realça a pediatra Nancy Dobrolet, que também participou no procedimento.  
 
Graças à cirurgia, o sangue da menina voltou a circular normalmente pelo seu corpo e a criança está, agora, a recuperar da operação no hospital.

Notícia sugerida por Maria Pandina

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close