Fitness & Bem-estar

Condé Nast elege os melhores miradouros de Portugal

Para que ninguém perca o melhor de Portugal, a Condé Nast Traveler espanhola publicou, na semana passada, um extenso artigo sobre miradouros portugueses, com sugestões que percorrem todo o país.
Versão para impressão
Para que ninguém perca o melhor de Portugal, a Condé Nast Traveler espanhola publicou, na semana passada, um extenso artigo sobre miradouros portugueses, com sugestões que percorrem todo o país.

Desde “os tranquilos miradouros de Lisboa, aos horizontes selvagens da costa”, Portugal oferece muitas oportunidades de ser observado de cima, salienta o autor que coloca, no topo das recomendações, o miradouro São Pedro de Alcântara.

“Com vistas para a Baixa e a ladeira que conduz até ao Castelo de São Jorge” é possível chegar a este miradouro através do elevador da Glória, que liga a praça dos Restauradores ao Bairro Alto, explica Álvaro Anglada, que destaca o pequeno jardim do miradouro, dividido em dois pisos, e “decorado com estátuas e um painel de azulejos”.

A paragem seguinte é o Santuário de Santa Luzia, em Viana do Castelo. O artigo explica que este miradouro, onde se encontra o tempo dedicado à mesma santa, se inspira no Sacré-Coeur de Paris. Segundo a Condé Nast, este é o local perfeito para ver o pôr-do-sol sobre o estuário do rio Lima e a “preciosa cidade de Viana do Castelo”. Para um final e tarde perfeito, o cronista aconselha o leitor a “beber um copo de vinho numa das pousadas”.

Lisboa, Sintra e Beira Interior

A terceira sugestão recai sobre o Castelo de São Jorge, novamente em Lisboa. O autor descreve a história que reúne influências visigodas, árabes e cristãs. “Mas são as suas muralhas e torres que tornam este castelo famoso entre aqueles que procuram as melhores vistas”, diz Álvaro Anglada. “Deste miradouro fortificado pode ver-se a Baixa, o Bairro Alto e o rio Tejo, naquela que é uma das melhores vistas sobre a cidade”.

 
O Castelo dos Mouros, em Sintra, é a quarta sugestão da Condé Nast. Os seus desgastados muros, com quase 1.000 anos que história, que “serpenteiam pelo Parque da Pena e vistas que se debruçam sobre o vazio”, “revelando a serra, a vila e, em dias claro, o azul do Atlântico”, seduziram o autor do artigo.

De regresso à capital, é a vez de visitar o miradouro de Santa Luzia, com vista para os telhados de Alfama e para o rio Tejo. Junto a igreja da ordem de Malta, Álvaro Anglada destaca também o famoso painel de azulejos que reproduz uma paisagem da cidade, com o castelo e a praça do Comércio antes do terramoto de 1755. 

Tempo para descer até à Beira Interior. A vista que se segue fica no Castelo de Monsanto, naquela que é apelidada a “aldeia mais portuguesa de Portugal”, e que oferece, a mais de 700 metros de altitude, uma panorâmica privilegiada sobre uma paisagem rural.

“Portugal imprescindível”

Sétima sugestão leva o leitor de volta a Sintra, para subir ate ao Palácio da Pena. “Estas são as vistas que os reis tinham nos seus dias de descanso” quando, no Verão, “vinham à procura de um clima mais fresco” com “vistas idílicas e misteriosas”. Quanto ao palácio, o artigo fala de “toda uma rareza arquitetónica, com extravagâncias em pedra e azulejo e toda classe de caprichos”. O autor garante que os miradouros que aqui encontrou oferecem vistas espetaculares sobre um “Portugal imprescindível”.


De Sintra a caminho de Lisboa, é tempo de parar no Cabo da Roca onde o “Atlântico choca com todas as suas forças” nas rochas. Trata-se de “um miradouro natural aberto sobre o mar, localizado a 140 metros de altura, e com vistas de 360º sobre a paisagem do Parque natural de Sintra-Cascais”. 

De regresso ao norte, a Condé Nast sugere uma visita ao convento da Serra do Pilar, em Vila Nova de Gaia, de onde se pode desfrutar da vista “mais famosa e encantadora” sobre o Porto: “É deste lado do Douro que se obtêm as melhores vistas sobre a cidade”. O autor sugere este miradouro porque daqui se pode observar a “maravilhosa” ponte de ferro D. Luís I, símbolo da cidade, e o Palácio da Bolsa.  

O artigo termina com uma visita ao Alentejo, à vila de Marvão, “com uma vista panorâmica inigualável. “O perfil de Marvão descola do solo para subir as alturas” num “promontório de 900 metros onde se ergue o seu castelo”, diz o autor. Daqui se pode observar, com ‘olhos de pássaro’, o Parque natural da Serra de São Mamede, um verdadeiro “prodígio natural”, conclui o artigo.

Clique AQUI para consultar o artigo original (em espanhol).

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close