Ambiente

Concelho quer ser “capital da urtiga”

Fornos de Algodres, no distrito da Guarda, pretende afirmar-se oficialmente como "capital da urtiga". Este é um dos principais propósitos das jornadas de etnobotânica que decorrem no concelho até domingo.
Versão para impressão
Fornos de Algodres, no distrito da Guarda, pretende afirmar-se oficialmente como “capital da urtiga”. Este é um dos principais propósitos das jornadas de etnobotânica que decorrem no concelho até domingo.

O evento promovido pela Câmara Municipal de Fornos de Algodres e pela Confraria da Urtiga pretende valorizar e divulgar um produto natural que pode vir a ter “grande importância na gastronomia regional”, disse à Lusa Manuel Paraíso, grão-mestre da Confraria da Urtiga, criada em 2009.

A urtiga, planta que cresce abundantemente nos campos de forma selvagem, é já reconhecida em alguns países pelas suas propriedades nutritivas e vitamínicas e as suas fibras são utilizadas medicina e na confecção de tecidos, explicou Manuel Paraíso.

Em relação ao concelho de Fornos de Algodres, o responsável contou que a planta apenas é utilizada “na confecção de pão, sopas, sobremesas, alheiras e patés, mas sem ser numa linha de comercialização, embora haja empresas interessadas”.

Durante as jornadas haverá exposições, oficinas, caminhadas, saídas de campo para recolha e observação de plantas, teatro, música, poesia, eventos gastronómicos, concursos, palestras e entronização de 13 novos confrades.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close