Saúde

Compostos do mar têm potencial para tratar tumores

Uma equipa de investigadores do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), no Brasil, tem vindo a descobrir novas substâncias marinhas com potencial para tratar tumores. O resultado das pesquisas foi apresentado
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), no Brasil, tem vindo a descobrir novas substâncias marinhas com potencial para tratar tumores. O resultado das pesquisas foi apresentado num workshop sobre a biodiversidade marinha.

Letícia Veras Costa-Lotufo, coordenadora da equipa da UFC, explica que o grande número de predadores e a competição por espaço são algumas ameaças presentes no mundo marinho que fazem com que esses seres desenvolvam um metabolismo secundário muito eficiente, para se defenderem “através da produção de substâncias”.

O grupo de investigadores isolou duas moléculas estauroporinas de uma espécie de ascídia endémica que apresentaram atividades anticancerígenas. Espera-se agora que o isolamento de microrganismos da ascídia permita encontrar os produtores dessas moléculas, para que seja possível produzir os compostos através da fermentação.

A ação anticancerígena foi testada com sucesso em animais e também in vitro. “Os testes mostraram que os compostos atacam preferencialmente as células tumorais”, explica Letícia, citada pela agência Lusa.

Mas os investigadores fizeram mais progressos: da alga Sargassum vulgare, a equipa isolou uma substância capaz de atenuar os efeitos colaterais da quimioterapia, além de potencializar a sua eficácia.

“Os quimioterápicos atacam o sistema imunológico, diminuindo as defesas do organismo. Conseguimos inverter esse efeito mantendo ou até melhorando a atividade antitumoral”, revelou a líder da investigação, ressaltando que até agora só foram realizados testes em animais.

A leucopenia, queda do número de glóbulos brancos provocada pela quimioterapia, foi completamente revertida nesses ensaios e a atividade antitumoral chegou a aumentar cerca de 30%.

Os resultados abrem perspetivas para que a substância seja aplicada como um coadjuvante no tratamento por quimioterapia, sendo que já está em curso o processo de depósito de uma patente para esse produto anticancerígeno e imunoestimulante.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close