Ciência

Composto inovador previne stress pós-traumático

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Emory, Miami, identificou um composto capaz de reduzir os sintomas de stress pós-traumático e mesmo de prevenir o aparecimento do problema após o trauma.
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Emory, Miami, nos EUA, identificou um composto capaz de reduzir os sintomas de stress pós-traumático e mesmo de prevenir o aparecimento do problema após o trauma. Para já a experiência só foi feita com ratos de laboratório, mas, se funcionar igualmente em humanos, a descoberta pode dar origem a eficazes tratamentos na prevenção deste transtorno.
 
No âmbito da investigação, os cientistas basearam-se em estudos recentes que envolviam casos de militares traumatizados pela guerra no Iraque e que davam conta da influência da administração de morfina no risco de stress pós-traumático. 
 
“À primeira vista, há quem pense que a morfina serve exclusivamente para diminuir a dor. No entanto, nós acreditamos que esta também afeta o processo em como cada um lida com o medo e o trauma”, afirma Kerry Ressler, professor de Psiquiatria e Ciências do Comportamento na Faculdade de Medicina da Universidade de Emory, num comunicado académico.

Inspirados nesta hipótese, os investigadores testaram um composto que desenvolveram, o SR-8993, que consegue “premir um dos botões” do cérebro que são ativados pelos opiáceos como a morfina ou a oxicodona.

 
“Aquilo que hipotetizámos foi que, em termos de química cerebral, o medo e a ansiedade, nos casos de dependência, estão diretamente  relacionados com os sintomas de stress pós-traumático”, declara o co-autor do estudo Thomas Bannister, professor assistente de Medicina Química no Scipps Research Institute, na Flórida.
 
“O composto SR-8993 estimula um processo natural que ocorre depois do trauma que evita que o medo se torne excessivo e generalizado”, diz Kenny Ressler. Uma outra vantagem deste composto, inicialmente desenvolvido para tratar a dependência de drogas e álcool, é que, segundo os resultados do estudo, não tem quaisquer efeitos narcóticos ou aditivos. 
 
Clique AQUI para aceder ao resumo da investigação publicada esta quarta-feira no jornal Science Translational Medicine.

Notícia sugerida por Carla Neves

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close