Ciência

Comer peixe aumenta mesmo a esperança de vida

Cientistas norte-americanos confirmaram que uma alimentação rica em peixe contribui para a redução em 27% do risco de mortalidade. Os ácidos gordos contribuem também para reduzir em 35% o risco de um idoso sofrer de doenças cardiovasculares.
Versão para impressão
Pessoas com mais de 65 anos que têm altos níveis de ómega 3 no sangue vivem, em média, mais 2,2 anos em relação àquelas que têm taxas mais baixas deste ácido gordo, encontrado em alguns peixes. A confirmação foi feita por investigadores norte-americanos que garantem que o consumo regular de peixe gordo pode reduzir em 27% o risco de mortalidade.

O estudo – desenvolvido pelas universidades de Harvard e Washington e publicado esta semana na revista médica Annals of Internal Medicine – revela que uma alimentação rica em peixe pode ainda contribuir para uma redução de 35% no risco de uma pessoa idosa sofrer de doenças cardiovasculares.


“As descobertas sugerem que a melhor aposta é passar de um consumo nulo ou modesto, para a ingestão de pelo menos duas doses de peixe gordo por semana”, explica Dariush Mozaffarian, líder da investigação, no site oficial da Universidade de Harvard.

Salmão, anchovas, atum e a “nossa” sardinha são alguns dos peixes que contêm ácidos gordos e que trazem benefícios à saúde quando consumidos com regularidade.
 

Os resultados da investigação foram conseguidos através da análise de 16 anos de dados científicos correspondentes a 2.700 voluntários, com cerca de 74  anos de idade, de quatro estados diferentes dos Estados Unidos da América (EUA).

Os investigadores avaliaram a importância do consumo de peixe através de análises de sangue, exames físicos, testes de diagnóstico e questionários sobre a saúde, histórico médico e estilo de vida destes participantes.
 

Através destes dados, os cientistas conseguiram associar os níveis de ácidos gordos presentes do sangue a um menor risco de mortalidade ou de surgimento de complicações cardiovasculares.

“Estas descobertas sustentam a importância de níveis adequados de ómega 3 no sangue para a saúde cardiovascular, e sugerem que desde cedo o consumo regular de peixe podem aumentar a esperança de vida”, salienta Dariush Mozaffarian.

Clique AQUI para aceder ao comunicado da Universidade de Harvard.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close