Inovação e Tecnologia

Cientistas tornam comboios resistentes a atentados

Um grupo de cientistas europeus, coordenado por investigadores britânicos da Universidade de Newcastle, em Inglaterra, está a trabalhar em carruagens de comboios capazes de reduzir o número de mortos e feridos em caso de ataques terroristas.
Versão para impressão
Um grupo de cientistas europeus, coordenado por investigadores britânicos da Universidade de Newcastle, em Inglaterra, está a trabalhar em carruagens de comboios capazes de reduzir o número de mortos e feridos em caso de ataques terroristas. O método passa, por exemplo, pela utilização de vidros cobertos com plástico para evitar que os passageiros sejam atingidos por fragmentos.
 
O centro de investigação “The New Rail” daquela universidade analisou as carruagens do metro de Londres atingidas nos ataques terroristas de 7 de Julho de 2005 na capital britânica, que mataram 56 pessoas, e fez, posteriormente, uma explosão de teste numa carruagem em desuso para testar o impacto de uma bomba na sua estrutura.
 
No âmbito do projeto SecureMetro, com três anos de duração, o grupo focou-se então em conter o impacto da explosão e em reduzir os destroços, que são, geralmente, a principal causa de mortes e ferimentos nesse tipo de acidente e que se constituem também como o principal obstáculo para as equipas de emergência. 
 
Os investigadores, cujo projeto foi financiado pela União Europeia, fizeram explodir uma carruagem desativada e estudaram a forma como a onda de choque se propagou para entender qual a reação das estruturas. O momento foi filmado por câmaras capazes de registar imagens em alta velocidade, o que lhes permitiu examinar a explosão em câmara lenta. 
 
Depois, os investigadores “redesenharam” as carruagens atuais e efetuaram um teste completo com um protótipo à escala. O próximo objetivo é que a tecnologia possa vir a ser incorporada nos regulamentos britânicos e europeus de transportes e que a utilização das soluções de segurança que propõem seja obrigatória.

Modificações “simples e baratas” para salvar vidas

“Temos de ser realistas. Substituir as carruagens de metro atuais não é exequível. [Em vez disso] concebemos tecnologias e materiais que incorporámos nas carruagens existentes para melhorar a sua proteção”, explica, em comunicado, Conor O'Neill, o coordenador do projeto. 
 

Entre estas soluções estão, por exemplo, um revestimento plástico para as janelas e painéis que previnem que os destroços sejam projetados contra os passageiros, mas também a substituição das estruturas mais pesadas por materiais leves e capazes de absorver energia.
 
 “Os painéis que fixámos no teto permitiram reduzir o risco de morte e ferimentos ao limitar consideravelmente” a projeção de fragmentos, acrescenta O'Neill.
 
“O revestimento plástico nas janelas que desenvolvemos também foi incrivelmente eficaz”, adianta ainda, sublinhando que, “sem ele, as janelas teriam partido e projetado estilhaços, podendo ferir os passageiros”.
 
De acordo com o coordenador do projeto SecureMetro, mesmo que a explosão de uma bomba numa carruagem vá ser sempre um incidente devastador, o recurso a este tipo de materiais “podem salvar vidas, além de reduzir o interesse dos terroristas pelos caminhos-de-ferro”.
 
“O que demonstrámos é que as empresas podem fazer modificações simples e baratas que melhoram consideravelmente a situação em caso de atentado”, concluiu.  

[Notícia sugerida por Vítor Fernandes e David Ferreira]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close