Saúde

Cientistas criam vasos sanguíneos a partir de gordura

Futuramente, o tratamento de uma artéria bloqueada poderá vir a passar pela sua substituição por um vaso sanguíneo criado a partir de células retiradas da gordura através da lipoaspiração, procedimento que remove os depósitos de gordura sob a pele.
Versão para impressão
Futuramente, o tratamento de uma artéria bloqueada poderá vir a passar pela sua substituição por um vaso sanguíneo criado a partir de células retiradas da gordura através da lipoaspiração, procedimento que remove os depósitos de gordura sob a pele. 
 
A conclusão resulta de um novo estudo realizado por investigadores norte-americanos, que sugere que as células estaminais adultas retiradas da gordura lipoaspirada podem ser utilizadas para o desenvolvimento de vasos sanguíneos novos e saudáveis.
 
De acordo com o portal WebMD, este é apenas um estudo preliminar mas, caso as investigações seguintes comprovem a viabilidade do método, os novos vasos sanguíneos poderão vir a ser utilizados durante cirurgias de “bypass” cardíaco e outros procedimentos que implicam o “redirecionamento” do sangue em redor das artérias bloqueadas.
 
Segundo os investigadores da Faculdade de Engenharia Química, Biológica e de Materiais da Universidade de Oklahoma, nos EUA, milhões de pessoas com doenças cardíacas necessitam de pequenas substituições de vasos sanguíneos ou enxertos para restaurar a função das artérias danificadas.
 
Os vasos sanguíneos criados a partir da gordura da lipoaspiração poderiam, portanto, ajudar a resolver os principais problemas com enxertos que utilizam materiais sintéticos ou implicam o recurso a tecido de outras partes do corpo. 
 
“Atualmente, os enxertos de pequeno diâmetro acarretam um grande risco de formação de coágulos e de rejeição ou podem apenas nunca vir a funcionar com normalidade”, explica o investigador Matthias Nollert, coordenador do estudo, acrescentando que, consoante o sucesso dos próximos passos, a técnica estudada tem potencial para revolucionar a área.

Novos vasos sanguíneos em poucas semanas
 

Os resultados do estudo foram apresentados numa conferência de ciências cardiovasculares organizada, este mês, pela American Heart Association. Durante a investigação, os especialistas extraíram células-tronco da gordura removida pela lipoaspiração e converteram-nas em células musculares.
 
Após um determinado período de tempo, estas células foram colocadas numa fina membrana amniótica, derivada do tecido da placenta. À medida que as células estaminais se foram multiplicando, a equipa “enrolou” estas membranas e formou pequenos tubos do diâmetro dos vasos sanguíneos.
 
Passadas três ou quatro semanas, estes tubos transformaram-se em vasos sanguíneos prontos a usar. “Os nossos vasos sanguíneos têm boas propriedades mecânicas e acreditamos que vão contrair-se normalmente quando expostos a hormonas”, declara Nollert.
 
Além disso, estes também parecem “prevenir a acumulação de um componente no sangue que provoca o estreitamento das artérias”, acrescenta o especialista, que adianta que a equipa espera começar os testes com animais dentro de seis meses.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close