Ciência

Cientistas atrasam envelhecimento da mosca

Investigadores do grupo de Fisiopatologia Metabólica da Universidade de Lérida (UdL) conseguiram atrasar o envelhecimento celular de uma mosca da fruta, a Drosophila melanogaster, através da modificação genética.
Versão para impressão
Investigadores do grupo de Fisiopatologia Metabólica da Universidade de
Lérida (UdL) conseguiram atrasar o envelhecimento celular de uma mosca
da fruta, a Drosophila melanogaster, através da modificação
genética.

Os investigadores introduziram um gene que permitiu aumentar a longevidade das moscas em 40%, cerca de mais 90 dias. Se aplicada a humanos representaria um aumento do tempo de vida de 150 anos, sem problemas de saúde, conforme assegura o artigo que foi publicado na revista norte-americana Proceedings of the National Academy of Science (PNAS).

Na investigação participaram também investigadores da universidade finlandesa de Tempere, que verificaram que a mosca atrasou o envelhecimento devido ao fabrico de uma proteína pelo gene introduzido. Assim, a “fábrica” de energia das células, as mitocôndrias, ficaram mais eficientes durante mais tempo.

Ao produzir menos radicais livres os animais ficam mais resistentes ao stress oxidativo e vivem mais. Os investigadores escolheram a mosca da fruta porque o seu código genético está mais estudado e é mais fácil de manipular.

A investigação continuará com outras espécies de moscas para validar a teoria.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close