Negócios e Empreendorismo

Castanhas: “guloseima” da época

Os vendedores, nas ruas, já trocaram os carros refrigerados pelos assadores e fogareiros, sinal de que o calor já lá vai e por esta altura, para aquecer, o melhor é mesmo um cartucho de castanhas quentinhas. Mas há inúmeras maneiras de comer este fru
Versão para impressão
Os vendedores, nas ruas, já trocaram os carros refrigerados pelos assadores e fogareiros, sinal de que o calor já lá vai e por esta altura, para aquecer, o melhor é mesmo um cartucho de castanhas quentinhas. Mas há inúmeras maneiras de comer este fruto que teve, durante séculos, um papel mais importante do que a batata na alimentação europeia. Agora que estamos em pleno Outono, época de excelência para este fruto seco, é altura de aproveitar.

Oriundas da Ásia menor, Balcãs e Cáucaso, as castanhas sempre tiveram grande protagonismo na gastronomia europeia, particularmente nos países do sul, onde foi introduzida há mais de três mil anos. Cozinhada nos mosteiros e abadias por monges e freiras que as usavam nas suas receitas, chega a Portugal por altura da Revolução Francesa.

Muito popular entre todos, a castanha mostrou-se o substituto por excelência do pão quando este escasseava no Inverno. Eram consumidas cozidas, assadas ou em farinha, servindo de produto básico da alimentação em especial para os Beirões e Transmontanos que as consumiam em vez da batata, conforme refere a obra “Castanea – Uma Dádiva dos Deuses”, de Jorge Lage.

As castanhas que comemos surgem de uma semente que cresce no interior de um ouriço, o fruto do castanheiro. Embora seja uma semente como as nozes, tem muito menos gordura e muito mais amido, um hidrato de carbono (cerca do dobro das batatas).

São também ricas em vitaminas C e B6 e uma boa fonte potássio. Têm assim um alto valor nutritivo e energético.mas também explosivo. Como têm bastante água, quando aquecidas essa água passa a vapor. Durante a confecção a pressão do vapor vai aumentado e “empurrando” a casca – se não levar o típico golpe, para aliviar essa pressão, pode explodir.

Em diversas regiões, as castanhas são motivo para o típico Magusto, celebrado em novembro, onde se faz uma fogueira para assar as castanhas e acompanhá-las com jeropiga, água-pé ou vinho novo, a castanha faz ainda parte da cultura popular com ditos, lengalengas, canções, quadras e contos, sobretudo no Nordeste Transmontano.

Por isso, este outono não se preocupe com as calorias e aproveite para saborear umas boas castanhas. O Boas Notícias deixa-lhe aqui duas receitas originais para experimentar as castanhas de uma maneira diferente.

Sopa de miso e castanhas

Ingredientes [4 pessoas, 365 calorias dose]:

1 cebola pequena
1 colher sopa de azeite
0,5 l de água e 250 de castanhas peladas
Sal e pimenta
20 gr de algas Kombu
1 colher sopa de miso

Preparação:

Comece por alourar a cebola picada no azeite. A seguir adicione a água a ferver e as castanhas e tempere com sal e pimenta. Deixe cozer bem e triture com uma varinha mágica até obter um creme.

Demolhe as algas em água fria durante 20 minutos e corte aos pedaços pequenos. No fim, guarneça a sopa com as algas e junte o miso mexendo bem. Está pronto a servir.

Pudim de Castanhas

Ingredientes [6/8 pessoas, 307 calorias dose]:

1 L de leite (pode ser de soja)
250 gr de puré de castanhas
250 gr de açúcar amarelo
8 folhas de gelatina incolor
mistura de frutos secos (para decoração)

Preparação:

Misture numa panela o leite , o puré de castanhas, o açúcar e as folhas de gelatina (depois de demolhadas em água fria e espremidas). Leve ao lume e deixe ferver durante 3 minutos.

Retire do calor e verta numa forma de chaminé com 23 cm de diâmetros. Deixe arrefecer e leve ao frigorifico até solidificar.

Para desenformar, mergulhe a forma em àgua quente. Decore com os frutos secos ou migalhas de castanha cozida.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close