Fitness & Bem-estar

Calçada portuguesa reveste praça na Venezuela

Em Caracas, na Venezuela, as obras na Praça Luís Vaz de Camões chegaram ao fim no final de Setembro, com a colocação de um revestimento tradicionalmente português: calçada com cubos de pedra calcária, em branco e negro azulado.
Versão para impressão
Em Caracas, na Venezuela, as obras na praça que pretende homenagear o poeta luso Luís Vaz de Camões ficaram concluídas no final de Setembro, com a colocação de um revestimento tradicionalmente português: calçada com cubos de pedra calcária, em branco e negro azulado. 

Para realizar a obra, foram enviados para a Venezuela dois contentores com pedra para calçada portuguesa. Segundo a imprensa local, a obra foi patrocinada por um membro da junta diretiva do Centro Português.
 
O jornal Correio da Venezuela, dirigido à comunidade portuguesa, explica que a Praça Luis Vaz de Camões fica numa rua homónima, na urbanização de Macaracuay, em Caracas, e foi construída para homenagear o poeta português e também como forma de agradecer à Venezuela pela maneira como acolhe a comunidade portuguesa. 

A iniciativa levou o mestre calceteiro Jorge Duarte Monteiro, da Escola de Calceteiros da Câmara Municipal de Lisboa, até àquela capital sul-americana, onde esteve até ao final do mês passado, a supervisionar as obras. 
 
Introduzida em 1842, na Praça D. Pedro IV, em Lisboa – quando a pavimentação da placa central adotou o desenho das ondas do mar -, a calçada portuguesa rapidamente alcançou um enorme sucesso, espalhando-se por toda a cidade. De seguida, o pavimento foi escolhido para decorar o chão de outras cidades e vilas portuguesas, bem como de ex-colónias. 
 
Mais recentemente, os calceteiros lisboetas têm sido convidados a executar o seu trabalho em importantes cidades do mundo. O Calçadão que bordeja as praias do Rio de Janeiro, por exemplo, tornou-se um icónico cartão de visita depois da sua passagem para o grande ecrã.
 
A calçada portuguesa é feita à base de cubos de pedra calcária (vidraço), brancos e negros azulados e consiste na composição de desenhos ou padrões criativos. A Câmara Municipal de Lisboa conta mesmo que, a par do clima ameno do país e do reflexo da luz nas águas do Tejo, “a calçada portuguesa é responsável pela peculiar luminosidade lisboeta”.
 
A autarquia tem vindo a manter a Escola de Calceteiros na Quinta Conde dos Arcos, na freguesia dos Olivais, cujos mestres calceteiros são convidados para executar o seu trabalho em diversas cidades estrangeira e arrecadam distinções internacionais.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close