Saúde

Cães: Portugal comercializa vacina contra leishmaniose

NULL
Versão para impressão
Portugal é o primeiro país a receber a vacina preventiva da leishmaniose canina, doença prolongada que pode ser fatal e que se pode transmitir aos humanos. A vacina é lançada esta terça-feira, no CCB, em Lisboa, avança a agência Lusa.
 
Febre, queda do pêlo (em especial à volta dos olhos), perda de peso, lesões cutâneas e problemas nas unhas são apenas alguns dos sintomas da leishmaniose canina, uma doença transmitida através de um mosquito que injeta o parasita nos animais. A doença não tem cura e é muitas vezes fatal para os animais.
 
Segundo a bastonária da Ordem dos Médicos Veterinários, Laurentina Pedro, a comercialização desta vacina é um passo “muito importante” na proteção da saúde pública: “Uma vacina contra uma doença tão grave (…)evita tratamentos dispendiosos, o sofrimento do animal, dos seus donos e o risco que estes correm de serem infetados”.
 
Segundo o laboratório que comercializa a vacina, esta foi desenvolvida pela empresa francesa Bio Veto Test (BVT), em conjunto com o Instituto de Pesquisa e o Desenvolvimento (IRD) e as equipas de investigação e desenvolvimento do grupo francês Virbac.
 
“Este projeto é baseado numa invenção patenteada da IRD relativa à cultura da leishmania, tendo o IRD concedido uma licença exclusiva à BVT para o mercado veterinário”, prossegue a empresa.
 
A vacina poderá ser administrada a partir dos seis meses de idade, sendo que o ciclo de vacinação completo consiste em três injeções, com intervalos de três semanas, e proporciona uma defesa interna prolongada contra os sintomas da infeção, segundo informação do laboratório que a comercializa.
 
A proteção implica ainda uma dose de reforço anual da vacina para manter a imunidade. Questionado pela agência Lusa quanto ao preço da vacina, o laboratório Virbac explicou que não pode, por lei, divulgar esta informação.
 
Esta comercialização foi possível porque o Comité para os Medicamentos Veterinários (CVMP) da Agência Europeia do Medicamento (EMA) emitiu, a 13 de janeiro deste ano, um parecer positivo para a vacina.
 
A 14 de março, a Comissão Europeia confirmou este parecer ao atribuir ao laboratório Virbac a Autorização de Introdução no Mercado (AIM) europeu para esta vacina.
 
A vacina será lançada numa primeira fase na Europa do Sul, até ao final do primeiro semestre de 2011, uma implantação que “tem em consideração a prevalência geográfica da doença e o período necessário para a produção em maior escala da vacina”.

[Notícia sugerida por Ana Isa Fernandes, Olga Ribeiro e Rita Gago da Câmara]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close