Ciência

Cães conseguem ler emoções nas vozes dos donos

Uma nova investigação pode explicar por que razão o cão é, afinal, o melhor amigo do homem. O cérebro dos cães responde à voz exatamente da mesma maneira que o dos humanos, o que lhes permite ler as emoções dos donos.
Versão para impressão
Uma nova investigação pode explicar por que razão o cão é, afinal, o melhor amigo do homem. O cérebro dos cães responde à voz exatamente da mesma maneira que o dos humanos, o que lhes permite ler as emoções dos donos e perceber se estão felizes ou tristes, concluiu pela primeira vez um grupo de investigadores da Hungria.
 
Segundo o estudo desenvolvido por especialistas da Universidade Eotvos Loránd e do centro de investigação etnológico MTA-ELTE, ouvir uma voz leva à ativação, tanto nos humanos, como nos cães, da mesma área do cérebro, quer se trate de uma ordem dada ao animal (por exemplo, “senta”) ou de sons emotivos como o choro ou uma gargalhada.
 
Em ambas as espécies, é ativada uma região próxima do lobo temporal, onde se observa uma reação mais intensa sempre que é ouvido um som considerado “feliz”, revelou a investigação publicada na revista científica Current Biology. 
 
Para chegar a estas conclusões, os cientistas treinaram 11 cães de forma a que estes permanecessem tranquilamente num aparelho de ressonância magnética, comparando as suas respostas a diversos sons humanos (gemidos de dor, risos, choro) e caninos com as de um grupo de voluntários humanos. 
 
De acordo com a equipa, embora o estudo tenha mostrado algumas diferenças entre as espécies, os resultados vieram trazer uma nova possibilidade para explicar a relação especial existente entre o cão e o homem para além do facto de estes partilharem “um ambiente social
semelhante”. 

Espécies partilham mecanismos cerebrais semelhantes
 

“As nossas descobertas sugerem que [os cães e os humanos] utilizam também mecanismos cerebrais semelhantes para processar informações sociais, o que pode apoiar o sucesso da comunicação vocal entre as duas espécies”, explica Attila Andics, coordenador do estudo, em comunicado. 
 
Os investigadores constataram que a região do cérebro dos cães associada à voz e ao som respondeu mais fortemente aos sons de outros cães, ao passo que os humanos responderam com maior intensidade aos sons dos seus pares. 
 
Nos cães, 48% de todas as regiões sensíveis ao som produziram uma reação mais forte aos sons não vocais, ao passo que em humanos apenas 3% destas regiões sensíveis responderam com maior intensidade a sons que não correspondiam à voz. 
 
Ainda assim, a equipa afirma que os resultados do estudo constituem o primeiro passo em direção a uma compreensão mais clara quanto à forma como os cães identificam e interpretam os sentimentos dos donos, nomeadamente através da sua voz. 
 
“O método [da ressonância magnética] proporciona um meio totalmente novo de investigar os processos neurológicos nos cães”, afirma Andics. “Finalmente estamos a começar a entender de que forma o nosso melhor amigo olha para nós e 'navega' no nosso ambiente social”, conclui.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close