Ciência

Bióloga lusa descobre espécie “raríssima” no Algarve

Uma bióloga portuguesa descobriu, no Algarve, um "pseudoescorpião raríssimo". Esta descoberta enfatiza a relevância das grutas do sul da Península Ibérica como refúgio de animais que são já considerados relíquias.
Versão para impressão
Uma bióloga portuguesa descobriu, no Algarve, um “pseudoescorpião raríssimo”. De acordo com Ana Sofia Reboleira, esta descoberta enfatiza a relevância das grutas do sul da Península Ibérica como refúgio de animais que são já considerados relíquias.
 
Em declarações à Lusa, a bióloga explica que “este animal é uma relíquia que não tem parentes próximos em toda a região holártica [hemisfério norte] e é uma evidência de que já houve outro tipo de fauna nesta zona que foi mudando com as alterações climáticas”.
 
O animal em causa, batizado “Lusoblothrus aenigmaticus”, é um “pseudoescorpião raríssimo” e ganhou este nome devido ao facto de “a sua existência naquela região geográfica” ser “um enigma”. Segundo a especialista, a espécie terá ficado “refugiada” naquele local “ao longo de milhares de anos de evolução, adaptando-se às condições de vida em meio subterrâneo”. 
 
O novo género de “pseudoescopirão” das cavernas foi descoberto em 2009 mas só agora o achado foi publicado na revista científica “Zootaxa”, sendo descrito pelo especialista Juan António Zaragoza, da Universidad de Alicante, em Espanha.

Bióloga já tinha descoberto outras cinco novas espécies

 
A descoberta aconteceu durante o doutoramento, entretanto concluído, de Ana Sofia Reboleira, no Departamento de Biologia e Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da Universidade de Aveiro, orientado pelos professores Fernando Gonçalves (do Departamento de Biologia da mesma universidade) e Pedro Oromí, da espanhola Universidad de La Laguna.
 
De salientar que esta descoberta faz aumentar para 11 o total de novas espécies já descritas pela investigadora, que tem ajudado a reforçar o património biológico português e chamado a atenção para a importância destas espécies como “um valor natural em risco, pela falta de medidas específicas de proteção para os habitats subterrâneos”.
 
A bióloga portuguesa foi também responsável, a par de Alberto Sendra, do Museu Valenciano de História Natural, pela descoberta de mais cinco novas espécies para a ciência na gruta mais profunda do mundo a 2.191 metros abaixo do nível do solo. 
 
Os animais, insetos primitivos sem asas e sem olhos, foram descobertos durante a expedição Ibero-Russa do CAVEX Team à gruta Krubera-Vorónia, localizada na Abecásia, uma área remota perto do Mar Negro, nas montanhas do Cáucaso.

[Notícia sugerida por Rui Rodrigues, Elsa Martins, Raquel Baêta e Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close