Sociedade

Banco Alimentar volta a bater recordes

NULL
Versão para impressão
O Banco alimentar voltou a superar os resultados do ano anterior. Este fim de semana o país contribuiu com 2309 toneladas de alimentos, mais 14,9 por cento que em maio de 2010, provando, mais uma vez, que a solidariedade não está em crise.

A campanha esteve presente em mais de 1560 superfícies comerciais das zonas de Abrantes, Algarve, Aveiro, Beja, Braga, Coimbra, Cova da Beira, Évora, Leiria-Fátima, Lisboa, Oeste, Portalegre, Porto, Santarém, Setúbal, Terceira, Viana do Castelo e Viseu.

Segundo o Banco Alimentar anuncia em comunicado “os resultados obtidos voltaram a evidenciar uma extraordinária adesão, apesar das sombrias perspetivas sobre a evolução da economia portuguesa”.

“Graças à sua ajuda há cada vez mais sorrisos” foi o lema e a mensagem da campanha deste ano que não só resultou em mais alimentos como também numa forte adesão por parte dos voluntários.

Em Ano Europeu de Voluntariado, 31.900 cidadãos dedicaram o fim de semana a esta causa, assegurando totalmente a recolha nos estabelecimentos comerciais, o transporte, a pesagem e a separação dos produtos.

A partir da próxima semana, os géneros alimentares recolhidos serão distribuídos pelas 1.936 Instituições de Solidariedade Social que os farão chegar a cerca de 319 mil pessoas com carências alimentares comprovadas, sob a forma de cabazes ou de refeições confecionadas

Se não pôde participar nesta campanha ainda está a tempo. Até 5 de junho, poderá fazer as suas doações da nova plataforma eletrónica de recolha de alimentos da Internet, em www.alimentestaideia.net, ou nas 3.900 lojas Payshop espalhadas por todo o País onde o seu dinheiro será convertido em leite.

Para além das campanhas de recolha, que acontecem duas vezes por ano, os Bancos Alimentares Contra a Fome recebem diariamente excedentes alimentares doados pela indústria agroalimentar, agricultores, cadeias de distribuição e operadores dos mercados abastecedores. Recuperam-se assim produtos alimentares que, de outro modo, teriam como destino provável a destruição, lutando contra uma lógica de desperdício e de consumismo.

[Notícia sugerida por Elsa MArtins e Patrícia André]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close