Sociedade

Aveiro, uma cidade amiga dos peões

Segundo uma avaliação realizada por consultores do organismo europeu "Active Acess" (AA), Aveiro é uma boa cidade para andar a pé, graças à qualidade das suas infraestruturas pedonais na zona turística. Ainda assim, foram detetados alguns "pontos neg
Versão para impressão
Segundo uma avaliação realizada por consultores do organismo europeu Active Access, Aveiro é uma boa cidade para andar a pé, graças à qualidade das suas infraestruturas pedonais na zona turística. Ainda assim, foram detetados alguns “pontos negros” que a autarquia se compromete a eliminar até 2012.

O projeto Active Access avalia o índice de pedonalidade – ou seja, as condições das zonas para peões – em 13 países europeus. Em Aveiro foi avaliada a zona entre o Centro Comercial Fórum e a Praça do Peixe, tendo em conta critérios como a presença e manutenção de infraestruturas adequadas, possíveis conflitos com veículos motorizados, acessibilidades, sombra, presença de água, árvores ou a estética dos edifícios.

A qualidade das infraestruturas para peões entre o Fórum e o Rossio foi classificada como “média” e entre o Rossio e a Praça do Peixe como “muito boa”.

Por isso, esta “é uma boa cidade para andar a pé”, garante o consultor Mário Alves ao Jornal de Notícias. “É uma zona bonita e confortável para andar, onde se tem investido muito na pedonalidade. Há muitos parques de estacionamento aqui perto onde as pessoas podem deixar as viaturas e ir a pé”, acrescenta.

No entanto, foram também verificados alguns problemas, sobretudo nas zonas de urbanismo mais recentes, “porque se privilegiam os automóveis”. O presidente da Associação Comercial, Jorge Silva, criticou a falta de “limpeza” na Praça do Peixe; já João Barbosa, presidente da Junta de Vera Cruz, pediu mais atenção à “manutenção das estruturas e iluminação”.

Frisando ao Jornal de Notícias que “a calçada portuguesa é de difícil manutenção”, o vice-presidente da Câmara de Aveiro, Carlos Santos, garantiu contudo que serão reunidos todos os esforços para eliminar os problemas detetados, conforme prevê o projeto europeu, iniciado em agosto de 2009 e com duração de três anos.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close