Negócios e Empreendorismo

Australianos querem por ondas de Peniche a dar luz

As ondas de Peniche estão a captar a atenção internacional, dado ao seu elevado potencial para produzir energia. Depois dos finlandeses, agora é a australiana Bombora Wave Power que diz estar preparada para por as ondas portuguesas a gerar energia já
Versão para impressão
As ondas de Peniche estão a captar a atenção internacional, dado ao seu elevado potencial para produzir energia. Depois dos finlandeses, agora é a australiana Bombora Wave Power que diz estar preparada para por as ondas portuguesas a gerar energia já no início de 2017.
 
Desde 2007 que a finlandesa AW Energy anda a testar, em Peniche, equipamento submarino para produção de energia. E segundo disse ao Boas Notícias, por email, Mikael Martikainen, responsável de comunicação da AW Energy, a empresa está mesmo "a preparar a instalação de um equipamento de 350 kW em Peniche, dentro de um ano".
 
Enquanto isso não acontece, surge agora o anúncio de uma outra empresa, australiana, que quer apostar nas ondas de Peniche. A empresa divulgou, esta semana, um estudo detalhado onde valida a viabilidade (em termos de eficácia, custos e ambientais) do projeto para a instalação de uma fábrica de ondas naquela zona costeira de Portugal. 
 
Image and video hosting by TinyPic
Em vez de mangas, o projeto finlandês da AW Energy funciona com pás de grande dimensão como demonstra a foto acima

Segundo a empresa, o estudo foi financiado pela Australian Renewable Energy Agency (ARENA) e demonstra que, em 2023, o investimento feito já vai conseguir a mesma relação custo/benefícios que se concretiza noutro tipo de estruturas de energia renovável (como a eólica).

A Bombora garante que, em 2017, já vai ter uma fábrica de ondas de 60MW (megawatts) a funcionar em Peniche, instalando 40 aparelhos conversores de energia (umas mangas de cimento com 60 metros de comprimento) ao longo de 2.5km, a cerca de 700 da costa. A eletricidade gerada pelas 40 mangas será encaminhada para a rede elétrica através de cabos subterrâneos, diz a Bombora.
 


A Bombora garante que a fábrica de ondas não “terá impacto ambiental uma vez que as mangas conversoras de energia vão ser colocadas no solo do oceano, à semelhança das rochas marinhas”. Um contraste com o projeto finlandês que funciona com pás de grande dimensão.
 
A Bombora garante que a fábrica de ondas não “terá impacto ambiental uma vez que as mangas conversoras de energia vão ser colocadas no solo do oceano, à semelhança das rochas marinhas”.
 
A empresa está neste momento a angariar financiamento privado na ordem dos 5 milhões de euros para avançar com a primeira fase do projeto. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close