Ciência

Astrónomos encontram estrela com 9 planetas

O nosso sistema solar pode ter um "irmão gémeo", de acordo com um grupo de astrónomos que acredita poder confirmar a existência de nove planetas em torno de uma estrela localizada "apenas" a 130 anos-luz da Terra.
Versão para impressão
O nosso sistema solar pode ter um “irmão gémeo”, de acordo com um grupo de astrónomos que acredita poder confirmar a existência de nove planetas em torno de uma estrela localizada “apenas” a 130 anos-luz da Terra. A divulgação da descoberta foi feita esta semana no jornal Astronomy and Astrophysics. 
 
A suspeita da existência destes planetas em torno da estrela HD 10180 está a espantar a comunidade científica uma vez que, normalmente, não existem mais do que quatro planetas nos sistemas planetários identificados até agora.
 
O facto de se encontrar na constelação de Hydrus, que fica “próxima” do nosso sistema solar – pelo menos no contexto das distâncias do universo -, faz com que os astrónomos conseguiam estudar detalhadamente esta estrela.
 
Recorrendo a dados de um dos telescópios de alta precisão do Chile, a equipa liderada pelo astrónomo Mikko Tuomi conseguiu confirmar a existência de seis planetas – que já teriam sido detetados anteriormente – cinco dos quais serão entre 12 a 15 vezes maiores do que a Terra, sendo que o sexto terá uma massa 65 vezes superior. Estes planetas demoram entre 5 a 2000 dias a completar a sua órbita.
 
Além destes seis elementos, a equipa conseguiu confirmar a existência de um sétimo planeta e ainda encontrar fortes indícios da existência de outros dois. Se estas suspeitas se confirmarem, a HD 10180 será a única estrela detetada até agora com quase tantos planetas como o nosso sistema solar (que já teve nove planetas mas passou a ter oito depois da despromoção de Plutão em 2006). 
 
Estes três planetas adicionais terão uma massa 1.3, 1.9,  e 5.1 vezes superior à da Terra e as suas órbitas variam entre 1.2, 10 e 68 dias, respetivamente, o que significa que estão mais perto do seu sol do que o nosso Mercúrio e que a sua superfície está suficientemente escaldante ao ponto de derreter metais. 

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado no Astronomy and Astrophysics.

[Notícia corrigida às 18h50: alteração do título]

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close