Saúde

Aspirina reduz morte por cancro Coloretal

Uma dose de Aspirina diária de 75mg tomada durante 5 ou mais anos, reduz em cerca de 50% a probabilidade de morte do cancro coloretal, revela um estudo publicado na revista médica The Lancet.
Versão para impressão
Uma dose de Aspirina diária de 75mg tomada durante 5 ou mais anos, reduz em cerca de 50% a probabilidade de morte do cancro coloretal, revela um estudo publicado na revista médica The Lancet.

 A investigação constata que pode também reduzir outros tipos de cancro entre eles o do pâncreas, estômago, esófago, pulmões, próstata, bexiga e rins.

O estudo, publicado na ultima edição da revista científica The Lancet, analisou dados de cerca de 25 mil pacientes, a maioria deles da Grã-Bretanha.

A pesquisa afirma que, entre os benefícios e os riscos do consumo de aspirina, os médicos deveriam também considerar seus efeitos de proteção contra o cancro.

As pessoas que consumiram o medicamento tiveram um risco 25% menor de morte por cancro durante o período do estudo, e uma redução de 10% no risco de morte por outras causas em comparação às pessoas que não consumiram aspirina.

Efeito de proteção prolonga-se por 20 anos

O tratamento com a aspirina durou entre quatro e oito anos, mas um acompanhamento mais prolongado de 12.500 pessoas mostrou que os efeitos de proteção continuaram por 20 anos tanto entre os homens quanto entre as mulheres.

Após 20 anos, o consumo diário de aspirina ainda tinha o efeito de reduzir em 20% o risco de morte por cancro.

Ao analisar os tipos específicos da doença, os pesquisadores verificaram uma redução de 40% no risco de morte por cancro de intestino, 30% por cancro do pulmão, 10% para cancro da próstata e 60% para cancro do esófago.

Aspirina só deve ser consumida com recomendação médicas

Apesar do estudo realizado, Peter Rothwell explica que ” os resultados do estudo não significam que os adultos saúdaveis devam lançar-se a tomar aspirinas, mesmo que estas demonstrem ter benefícios importantes que até agora não tinham sido tidos em conta nas recomendações médicas”.

Peter Rothwell afirma ainda que os riscos da ingestão da aspirina são menores quando os pacientes têm uma idade compreendida entre os 45 e os 50 anos e, que a partir desta altura, podem ingerir o medicamente por um período de 25 anos.

Visite aqui para mais informação

[Notícia sugerida por Vitor Fernandes]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close