Saúde

Alzheimer: Técnica não-invasiva pode restaurar memória

É uma nova esperança para os pacientes com Alzheimer. Um grupo de investigadores australianos acredita ter descoberto uma técnica "revolucionária" para tratar a doença, tendo conseguido devolver a memória a ratinhos.
Versão para impressão
É uma nova esperança para os pacientes com Alzheimer. Um grupo de investigadores australianos acredita ter descoberto uma técnica “revolucionária” para tratar a doença, tendo conseguido devolver a memória a ratinhos através da destruição das placas armazenadas no cérebro com recurso a uma solução indolor e não-invasiva baseada na utilização de ultrassons. 
 
Para testar o tratamento, a equipa da Universidade de Queensland, na Austrália, injetou beta-amilóides – peptídeos que têm sido associados ao desenvolvimento e progressão da doença de Alzheimer – no cérebro de ratinhos para criar um modelo animal desta patologia submetendo-os, depois, a uma terapia repetida com ultrassons.
 
Segundo os investigadores, as ondas ultrassonográficas oscilam de forma muito rápida, ativando as células microgliais, responsáveis por “digerir” e remover as placas beta-amilóides do cérebro, conhecidas por destruírem as sinapses, ou seja, as ligações entre os neurónios.
 
Quando examinou os animais tratados por intermédio de uma série de testes, a equipa constatou que a ativação das células microgliais tinha consumido uma grande quantidade de beta-amilóide presente no cérebro e que, em 75% dos casos, este órgão ficou “limpo”, o que permitiu a recuperação da memória e das capacidades cognitivas e fez com os animais conseguissem um desempenho idêntico ao dos ratinhos saudáveis. 
 
Embora o cérebro destes animais seja diferente do cérebro humano, os cientistas acreditam que, se for aplicada precocemente, a utilização de ultrassons, solução não-invasiva e não tóxica, pode ser “muito mais eficaz” do que os medicamentos atualmente usados para atrasar a progressão do Alzheimer, que apenas funcionam durante um curto período de tempo e não removem as placas de beta-amilóide acumuladas.
 
“Estamos extremamente entusiasmados com esta inovação para o tratamento do Alzheimer que não exige a utilização de fármacos”, explica, em comunicado, Jurgen Gotz, um dos coordenadores da investigação.

“A palavra 'revolucionário' é muitas vezes usada erradamente, mas, neste caso, acredito que esta investigação vai alterar decisivamente a forma como tratamos esta doença e antecipo um grande futuro para esta abordagem”, acrescenta. 


Cientistas vão testar o mesmo método noutras demências
 
Segundo Gotz, este método permite “abrir temporariamente a barreira hematoencefálica, uma estrutura de permeabilidade altamente seletiva que protege o sistema nervoso central de substâncias potencialmente neurotóxicas presentes no sangue, “ativando mecanismos que limpam as proteínas tóxicas acumuladas e restaurando a memória”.
 
“Esta barreira é aberta durante apenas algumas horas, pelo que o seu papel protetor é rapidamente restaurado”, assegura o investigador, salientando que um outro benefício associado a esta técnica é o facto de ser uma opção “barata” e “altamente eficiente” que pode contribuir para aliviar o peso exercido sobre os sistemas de saúde dos diversos países e causado pelo envelhecimento da população. 
 
Os ensaios clínicos em humanos poderão começar dentro de dois anos e os investigadores esperam conseguir testar a mesma técnica com vista ao tratamento de outras demências.

“Estamos a tentar compreender se este método também elimina o excesso de proteínas tóxicas acumuladas no cérebro noutras doenças neurodegenerativas e se é, igualmente, capaz de restaurar as funções executivas deste órgão, nomeadamente a tomada de decisões e o controlo motor”, adianta Gotz.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês). 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close