Sociedade

Alunos lusos ensinam universidades a poupar energia

Mais de 80 grupos de alunos universitários de todo o país estudaram os edifícios das suas faculdades para detetar gastos de energia desnecessária. O objetivo foi a participação no concurso Green Campus, do IST e do MIT Portugal.
Versão para impressão
Mais de 80 grupos de alunos universitários de todo o país estudaram os edifícios das suas faculdades para detetar gastos de energia desnecessária. O objetivo foi a participação no concurso Green Campus, uma iniciativa que convidou a propor soluções mais eficientes para poupar. O projeto vencedor, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, apontou para uma redução do consumo em mais de um terço.
 
De acordo com Miguel Campos, coordenador do Green Campus – concurso promovido pelo Instituto Superior Técnico com o apoio do MIT Portugal – o desafio colocado foi “poder contribuir para a promoção de medidas de eficência energética nos campus do ensino superior a nível nacional e para a implementação dessas medidas”.
 
No total, inscreveram-se 81 equipas de estabelecimentos de todo o país, com exceção da madeira, e foram apresentados 30 projetos. Aos alunos era pedido que se concentrassem num dos edifícios da sua instituição, fizessem uma auditoria energética, quantificassem os gastos e propusessem medidas para corrigir ou melhorar os consumos com benefícios económicos, com a diminuição da fatura a pagar, e com a redução de emissões de dióxido de carbono.
 
A grande vencedora foi a equipa Esquadrão Classe A++ que, com uma auditoria a um dos edifícios, encontrou vários desperdícios de energia. Entre os exemplos listados por estes jovens estão as lâmpadas que gastam muito e estão ligadas mais tempo do que o necessário, devido ao descuido dos utilizadores, aparelhos de ar condicionado ineficientes e igualmente a funcionar para nada ou equipamentos de laboratório antigos, que gastam demasiada eletricidade.

Vencedores estimam redução de 21% no consumo energético
 

O edifício C8 da Faculdade de Ciências, em Lisboa, analisado pelos estudantes, “representa cerca de 26% do gasto [total] de energia elétrica [da faculdade] e, em 2011, teve um consumo de 1.383.800 quilowatts/hora”, explicou à Lusa João Santos, do grupo vencedor.
 
A equipa, composta ainda Ruben Teixeira, André Malheiro, Ricardo Henriques e Mário Silva, propôs o investimento em equipamentos mais eficientes, na introdução de novas tecnologias e em energias renováveis, como o sistema solar fotovoltaico, para produção de eletricidade.
 
Os vencedores defenderam também a realização de campanhas de sensibilização dos utilizadores para coisas tão simples como a necessidade de desligar a iluminação ou os radiadores quando se sai de uma sala, sendo que uma das mudanças depende do comportamento de quem estuda, ensina ou frequenta os edifícios.
 
“A redução estimada a nível da fatura energética é de 21% e o retorno do investimento é de cerca de oito anos, para uma redução dos consumos energéticos da ordem dos 37%”, concluiu João Santos.
 
Além da aplicação dos projetos distinguidos, a iniciativa vai resultar numa publicação para identificar as melhores práticas referidas no âmbito dos trabalhos propostos, e que possam indicar às instituições do ensino superior algumas medidas para reduzir consumos de energia.
 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close