Ambiente

Alpinistas limpam topo do Evereste

Vinte alpinistas nepaleses empenham-se numa extensa operação de limpeza no topo do Evereste, a mais de oito mil metros de altitude. Apesar de se encontrarem na chamada "zona da morte", onde o nível de oxigénio é reduzido e o terreno é perigoso, os al
Versão para impressão
[Foto: © Luca Galuzzi]

Vinte alpinistas nepaleses empenham-se numa extensa operação de limpeza no topo do Evereste, a mais de oito mil metros de altitude. Apesar de se encontrarem na chamada “zona da morte”, onde o nível de oxigénio é reduzido e o terreno é perigoso, os alpinistas recolhem a maior quantidade de lixo possível, ali abandonado ao longo dos anos.

Despojos como botijas de oxigénio vazias e cordas são abandonados por alpinistas ao descerem da montanha mais alta do mundo. Mas se até agora esse lixo era coberto pela neve, o aquecimento global faz com que o gelo se derreta, expondo, assim, toda a poluíção no Evereste.

O departamento de turismo do Nepal apoia a iniciativa, uma vez que o monte Evereste atrai todos os anos alpinistas de todos os continentes e é uma das principais fontes de rendimento daquele que é um dos países mais pobres do mundo.

Depois da primeira ascensão até ao topo da montanha, em 1953, realizada numa expedição dirigida por John Hunt, mais de 4 mil pessoas já alcançaram o mesmo feito. Anualmente, outros 8 mil escaladores tentam chegar aos 8.848 metros de altitude do Evereste.



Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close