Gastronomia

Alheira de Mirandela protegida contra “falsificações”

A partir de agora, a Alheira de Mirandela só pode ser produzida no concelho de origem. O enchido típico da culinária portuguesa passa, assim, a estar protegido contra "falsificações", concretizando-se uma ambição antiga dos produtores locais.
Versão para impressão
A partir de agora, a Alheira de Mirandela só pode ser produzida no concelho de origem. O enchido típico da culinária portuguesa passa, assim, a estar protegido contra “falsificações”, concretizando-se uma ambição antiga dos produtores locais que se concretiza com a atribuição da Indicação Geográfica Protegida (IGP).
 
Este novo estatuto foi autorizado pela Comissão Europeia e confirmado pelo Governo português através de um despacho do secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Gomes da Silva, publicado a 3 de Julho em Diário da República.
 
António Branco, presidente da Câmara de Mirandela, disse à Lusa que esta certificação “é fundamental para o futuro da alheira”, um dos produtos regionais com maior peso económico no concelho, que movimenta 28 milhões de euros anualmente e emprega 550 pessoas. 
 
De acordo com o autarca, existem, atualmente, em Mirandela, sete produtores certificados para a confeção da alheira. Porém, acredita António Branco, o novo estatuto “pode ser o impulso para a união e para outros aderirem”. 
 
O edil assegurou ainda que a Indicação Geográfica Protegida (IGP) se assume como “uma forma de garantir que a Alheira de Mirandela é apenas produzida no concelho e uma forma de proteger a qualidade” deste enchido. 

Certificação é “mais-valia para a economia local”
 

Pedro Caldeira é um destes sete produtores, gerente de uma das maiores empresas da Alheira de Mirandela, a Topitéu, criada em 1982 pelo agrupamento de três pequenos produtores, e acredita que esta certificação é “uma mais-valia para a economia local” e o resultado de “uma luta pela defesa da região, do produto e do bom nome dos produtores”. 
 
Em declarações à Lusa, o empresário recordou que, desde 1996, este enchido tem proteção de Especialidade Tradicional Garantida (ETG), mas o nome da “Alheira de Mirandela podia ser usado e o produto fabricado em qualquer parte”. 
 
Agora, a produção está limitada ao concelho, o que “vai acabar com as falsificações, em que muitas vezes o produto era apresentado ao consumidor dizendo que era de Mirandela, na realidade não sendo”, congratulou-se Pedro Caldeira. 
 
Todos os anos, este produtor faz chegar a Alheira de Mirandela a 11 países, com exportações a representarem 20% da faturação de “três milhões de euros”, em que se incluem também outros enchidos e 40 postos de trabalho. 

Saliente-se que já há mais de sete anos que a Associação Comercial e Industrial de Mirandela tinha requerido a IGP agora alcançada.

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close