Ciência

Alentejo vai descodificar código genético do sobreiro

Um centro de investigação do Alentejo vai descodificar o código genético do sobreiro, a espécie florestal de maior importância a nível socioeconómico em Portugal.
Versão para impressão
Um centro de investigação do Alentejo vai descodificar o código genético do sobreiro, a espécie florestal de maior importância a nível socioeconómico em Portugal. O projeto “GenoSuber – Sequenciação do Genoma do Sobreiro” vai ter início em 2013 e custará 1,1 milhões de euros.
 
Em declarações à Lusa, Sónia Gonçalves, do Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Baixo Alentejo e Litoral (CEBAL), o promotor do projeto, adiantou que este já foi aprovado para financiamento comunitário pelo programa operacional INAlentejo e deverá arrancar já em Janeiro do próximo ano.
 
Segundo a responsável, a investigação vai durar dois anos e meio e destina-se a descodificar e conhecer o património genético do sobreiro, “a espécie florestal com maior interesse ecológico e socioeconómico”.
 
De acordo com a investigadora, o montado de sobro, a base da indústria corticeira, “assume uma importância ecológica e socioeconómica” em Portugal que “justifica a realização do projeto no país” e, com o GenoSuber, o nosso país irá colocar-se “na vanguarda da investigação em sobreiro”.
 
No entender de Sónia Gonçalves, face à importância desta árvore em Portugal – responsável por cerca de 1/3 da produção mundial de cortiça – “faz todo o sentido ser o país a liderar a descodificação do genoma”, isto é, do código genético, e a “deter o conhecimento máximo a nível genómico”, defende.
 
A descodificação do genoma do sobreiro vai ser efetuada com “tecnologia de última geração” e possibilitar “um avanço no conhecimento e melhoramento genético da espécie, em questões relacionadas, por exemplo, com o desenvolvimento da árvore, a formação da cortiça e as respostas a 'stress', com especial enfoque na resistência a doenças”.
 
A investigação vai permitir “identificar a sequência dos genes presentes numa espécie”, o que já foi feito em relação ao genoma humano e de outras espécies vegetais mas, no caso do sobreiro, será inédito e poderá “ajudar depois a realizar estudos mais direcionados e será uma mais-valia para o conhecimento” da árvore.
 
Um impulso para o sector da cortiça
 
O GenoSuber vai ainda “trazer uma nova dimensão” à fileira florestal portuguesa, ao abrir a possibilidade de delinear estratégias de melhoramento da espécie, “com importantes repercussões a médio e longo prazo no sector da cortiça”, acredita Sónia Gonçalves.
 
O projeto, orçado em 1,132 milhões de euros, vai ser financiado em 80% por fundos comunitários por meio do INAlentejo, sendo o resto do montante garantido por entidades privadas.

Além do CEBAL, o GenoSuber contará com o envolvimento do Instituto de Tecnologia Química e Biológica da Universidade Nova de Lisboa, do Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica, da Biocant – Associação de Transferência de Tecnologia, do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária e do Instituto Gulbenkian de Ciência.

 
Ao todo vão ser 28 os investigadores a trabalhar na sequenciação do genoma, tendo como consultores o professor belga Yves Van de Peer, da Ghent University (Bélgica), e o professor norte-americano Gerald Tuskan, do Oak Ridge National Laboratory (Estados Unidos da América).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close