Ambiente Em Destaque

Afinal, como podemos zelar pela saúde ambiental?

É importante sabermos que tipo de comportamentos e hábitos podemos ter para fomentar a saúde em nossa casa. Amanhã assinala-se o Dia Mundial da Saúde Ambiental
Versão para impressão

 

Segundo a EPA – Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos – existem mais de 4 milhões de compostos químicos, sendo que 50% dos que penetram na atmosfera são gerados pelo Homem. Devido ao forte crescimento tecnológico, a cada dia nascem 3 compostos novos, dado assustador e merecedor de atenção no dia em que se celebra o Dia Mundial da Saúde Ambiental. Sobre o tema, na sede da UNESCO afirmou-se publicamente, em 2004, que “a poluição química ambiental é a principal causa dos atuais flagelos da humanidade, como cancro, infertilidade e doenças congénitas”. A poluição ambiental está também diretamente relacionada com outros problemas de saúde, nomeadamente Fibromialgia, Síndrome de Fadiga Crónica, Alzheimer, problem as respiratórios, entre outros.

Lembre-se, contudo, que a poluição ambiental é apenas a ”ponta do iceberg”; na verdade fatores de risco geoambiental como a contaminação eletromagnética e as radiações naturais (por exemplo o gás radão) contribuem significativamente para o aumento do risco do desenvolvimento de doenças.

Posto isto, é importante sabermos que tipo de comportamentos e hábitos podemos ter para fomentar a saúde em nossa casa e, consequentemente, a do ambiente. Deixamos-lhe 10 conselhos para que comece já hoje a zelar pela saúde de todos:

  1. Evite a exposição a campos elétricos e eletromagnéticos, em especial no quarto em que dorme;
  2. Durma num quarto isento de zonas geopatogénicas;
  3. Confira agora que estamos a entrar no período de Outono/Inverno, os níveis de exposição a radão no interior da sua habitação (em especial se pertence a um dos distritos considerados como sendo de risco pelo ITN, isto é, Braga, Porto, Vila Real, Guarda, Viseu, Castelo Branco e Portalegre); lembre-se que este gás radioativo é considerado como cancerígeno pela OMS sendo a primeira causa de cancro do pulmão em pessoas não fumadoras e segunda em pessoas fumadores. De forma muito simples com recurso a uma simples análise laboratorial através de um medidor passivo, poderá aferir se a sua habitação está sujeita a níveis de risco;
  4. Utilize materiais de construção e decoração mais saudáveis e ecológicos; opte, sempre que possível, por cerâmicas, pinturas naturais, madeiras naturais e certificadas, fibras naturais, têxteis naturais, vidro, etc.
  5. Opte, preferencialmente por sistemas de aquecimento baseados em energias naturais e renováveis, não poluentes;
  6. Utilize lâmpadas que se assemelhem, o mais possível, à luz emitida pelo sol (IRC superior ou igual a 90-95%);
  7. Utilize produtos de limpeza saudáveis e ecológicos;
  8. Ventile diariamente a casa várias vezes ao dia para reduzir a concentração dos tóxicos ambientais que se acumulam no seu interior;
  9. Escolha utensílios de cozinhas mais saudáveis; vidro, aço inox, cerâmica, silicone, etc. Opte por eliminar o alumínio, os plásticos (em especial para aquecimento de alimentos e confeção dos mesmos);
  10. Beba água alcalina com um ph entre 7-9, podendo também optar pela colocação, nas torneiras, de sistemas de filtração e depuração de água adequados que lhe garanta o consumo de água de boa qualidade.

Saiba mais em http://www.habitatsaudavel.com

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close