Mundo

Afeganistão: Latifa Nabizada, mãe e piloto aérea

A Força Aérea afegã atravessa atualmente um período de reconstrução. Com a ajuda de unidades especializadas norte-americanas, têm sido reabilitados alguns dos antigos helicópteros e os antigos pilotos recebem formação que nunca tinham tido. Entre ele
Versão para impressão
A Força Aérea afegã atravessa atualmente um período de reconstrução. Com a ajuda de unidades especializadas norte-americanas, têm sido reabilitados alguns dos antigos helicópteros e os antigos pilotos recebem formação que nunca tinham tido. Entre eles, encontra-se a Capitã Latifa Nabizada, a primeira mulher a ingressar na Força Aérea do Afeganistão e a única ainda no ativo.

“Desde criança que queria ser piloto. Além disso, como mulher, senti que era da minha responsabilidade servir o meu país. Por isso, juntei-me à Força Aérea há 20 anos. Fiquei porque é a minha paixão e ainda sinto a obrigação de não desistir”, conta Latifa, em declarações à CNN.

Nos anos 90, quando os Talibã subiram ao poder no Afeganistão, Latifa deixou a Força Aérea e refugiou-se no Paquistão, tendo consciência de que era um alvo a abater se continuasse no seu país.

A realidade é agora diferente: juntamente com outros 50 pilotos, Latifa submete-se aos treinos conduzidos por forças norte-americanas em Cabul, que ajudam o corpo aéreo afegão a evoluir na sua missão diária.

“Tenho assistido a mudanças notáveis desde que o processo começou. Recebemos formação e treinos ao nível do tráfego aéreo e da elaboração de checklists pré-vôo, língua Inglesa, instrumentos e navegação. Estamos a desenvolver capacidades que não tinhamos anteriormente”, explica Latifa Nabizada.





Piloto e mãe de família

Não raramente, Malali observa a mãe em ação na base de treinos da capital afegã. Tem apenas quatro anos, mas Latifa acredita que a filha vai seguir as suas pisadas: “Ela vai ser uma piloto no futuro”, diz com convicção.

Ser mãe e piloto não é, no entanto, tarefa fácil: “O meu marido é médico na força aérea e não temos ninguém que possa cuidar dela [a filha Malali]. Por isso, trago-a comigo todos os dias. Um dia, seria bom poder contar com uma creche na base aérea”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close