Sociedade

Surfistas vão receber formação para salvar banhistas

Com vista a reduzir os acidentes e afogamentos nas praias, o Instituto de Socorros a Náufragos (ISN) vai arrancar, no domingo, com ações de formação para surfistas sobre salvamento e suporte básico de vida a banhistas ao longo da costa.
Versão para impressão
Com vista a reduzir os acidentes e afogamentos nas praias, o Instituto de Socorros a Náufragos (ISN) vai arrancar, no domingo, com ações de formação para surfistas sobre salvamento e suporte básico de vida a banhistas ao longo da costa.
 
Em declarações à Lusa, o comandante do ISN, Nuno Galhardo Leitão, revelou que o projeto “Surf Salva”, anunciado esta quinta-feira e realizado em parceria com a Federação Portuguesa de Surf, “vista dotar os surfistas e praticantes de bodyboard, que fazem a modalidade em praias não vigiadas, de conhecimentos de salvamento, de suporte básico de vida, sobre como rebocar a vítima para terra ou o que fazer quando chegam a terra com a vítima consciente ou inconsciente”.
 
Em 2013 registaram-se 80 salvamentos de banhistas por surfistas nas praias nacionais e um total de 12 mortes, das quais 10 aconteceram em praias não vigiadas. “Este projeto poderá aumentar o salvamento e a garantia de segurança nas praias não vigiadas, onde não há uma vigilância eficaz, e reduzir o número de mortes e acidentes nas praias”, antecipou o responsável.
 
De acordo com Nuno Galhardo Leitão, o projeto surge num momento em que se avizinha uma época balnear complicada em termos de vigilância e salvamento marítimo.
 
“Tivemos um Inverno com grandes temporais, que provocaram grandes alterações no fundo do mar, pelo que poderão surgir agueiros e correntes onde antes não existiam e comportamentos anormais àquilo que os nadadores-salvadores estavam habituados”, explicou.

Projeto vai preencher “lacuna” na comunidade do surf
 

A propósito do anúncio da iniciativa, João Aranha, presidente da Federação Portuguesa de Surf, disse à Lusa que este é “um projeto meritório que vai dotar as praias de mais mãos a salvar, o que é fundamental”.
 
“Não se trata apenas de ter conhecimento e meios para tirar alguém da água, mas de conseguir avaliar o estado da vítima”, sublinhou o dirigente, que acredita que esta é ainda  uma “lacuna” para a comunidade do surf, que conta com cerca de 150 mil praticantes, que frequentam as praias de Verão e de Inverno.

O ISN tem planeada a realização de 50 ações de formação com 60 participantes cada junto das três centenas de escolas de surf existentes, tendo como público-alvo os instrutores desta modalidade.

A primeira destas ações acontece já este fim-de-semana, na Costa da Caparica, mais precisamente na Praia do Paraíso, com uma sessão teórica no sábado e respetiva a sessão prática no domingo, ambas apoiadas pelo Instituto Hidrográfico e ministradas por David Szpilman, referência mundial em salvamento aquático e diretor da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub