Saúde

EUA: Testada vacina eficaz contra a malária

Foram revelados novos avanços na aplicação de uma nova vacina contra a malária em seres humanos. A investigação está a ser feita por um grupo de cientistas norte-americanos e a primeira fase experimental foi feita em seis voluntários que, depois de i
Versão para impressão
Foram alcançados novos avanços na aplicação de uma vacina contra a malária em seres humanos. Uma investigação de cientistas norte-americanos conseguiu tornar um grupo de voluntários imune à malária. Depois da vacina, estes participantes foram infetados com o parasita mas não desenvolveram a doença.
 
De nome PfSPZ, a nova vacina é inédita na forma como foi produzida. Ao contrário das vacinas habituais, à base de moléculas, a equipa liderada por Stephen Hoffman recorreu a parasitas vivos para criar imunidade à malária.
 
A malária é causada pelo Plasmmodium faliparum, um parasita transmitido pela picada de mosquitos infetados e que causa a morte de 600 mil pessoas por ano. A vacina consiste na administração, aos participantes, de parasitas da malária vivos mas muito enfraquecidos, que não têm capacidade para desencadear a doença. Trata-se, no fundo, de combater o parasita com o próprio parasita. 
 
Na investigação levada a cabo pela empresa de biotecnologia Sanaria, criada por Hoffman para a investigação de doenças tropicais, seis dos voluntários foram injetados com parasitas adormecidos, em cinco doses diferentes. Mais tarde foram infetados com o Plasmmodium faliparum e nenhum deles contraiu a doença infecciosa.
 
Em comunicado de imprensa, a Sanaria relata que, no teste clínico, participaram, voluntariamente, 40 adultos saudáveis, com idades entre os 20 e os 44 anos, que nunca tinham tido malária. Alguns dos participantes receberam quatro doses de vacina completa de parasitas, outros receberam cinco doses e o grupo de controlo não recebeu qualquer vacina.
 
No grupo dos seis voluntários que recebeu as cinco doses intravenosas não se verificou a contração do vírus da malária quando ficaram em contacto com o parasita. Já em três dos nove participantes que receberam apenas quatro doses contraíram a doença.
 
A nova descoberta foi divulgada esta sexta-feira na edição online da revista Science. Os investigadores sublinham que os resultados dão conta de que “a dosagem administrada é fundamental no alcance de um alto nível de proteção contra a malária”.

Clique AQUI para consultar o resumo do artigo na Science e AQUI para ler o comunicado de imprensa da Sanaria.

Notícia sugerida por Elsa Fonseca

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub