Saúde

EUA: Testada vacina eficaz contra a malária

Foram revelados novos avanços na aplicação de uma nova vacina contra a malária em seres humanos. A investigação está a ser feita por um grupo de cientistas norte-americanos e a primeira fase experimental foi feita em seis voluntários que, depois de i
Versão para impressão
Foram alcançados novos avanços na aplicação de uma vacina contra a malária em seres humanos. Uma investigação de cientistas norte-americanos conseguiu tornar um grupo de voluntários imune à malária. Depois da vacina, estes participantes foram infetados com o parasita mas não desenvolveram a doença.
 
De nome PfSPZ, a nova vacina é inédita na forma como foi produzida. Ao contrário das vacinas habituais, à base de moléculas, a equipa liderada por Stephen Hoffman recorreu a parasitas vivos para criar imunidade à malária.
 
A malária é causada pelo Plasmmodium faliparum, um parasita transmitido pela picada de mosquitos infetados e que causa a morte de 600 mil pessoas por ano. A vacina consiste na administração, aos participantes, de parasitas da malária vivos mas muito enfraquecidos, que não têm capacidade para desencadear a doença. Trata-se, no fundo, de combater o parasita com o próprio parasita. 
 
Na investigação levada a cabo pela empresa de biotecnologia Sanaria, criada por Hoffman para a investigação de doenças tropicais, seis dos voluntários foram injetados com parasitas adormecidos, em cinco doses diferentes. Mais tarde foram infetados com o Plasmmodium faliparum e nenhum deles contraiu a doença infecciosa.
 
Em comunicado de imprensa, a Sanaria relata que, no teste clínico, participaram, voluntariamente, 40 adultos saudáveis, com idades entre os 20 e os 44 anos, que nunca tinham tido malária. Alguns dos participantes receberam quatro doses de vacina completa de parasitas, outros receberam cinco doses e o grupo de controlo não recebeu qualquer vacina.
 
No grupo dos seis voluntários que recebeu as cinco doses intravenosas não se verificou a contração do vírus da malária quando ficaram em contacto com o parasita. Já em três dos nove participantes que receberam apenas quatro doses contraíram a doença.
 
A nova descoberta foi divulgada esta sexta-feira na edição online da revista Science. Os investigadores sublinham que os resultados dão conta de que “a dosagem administrada é fundamental no alcance de um alto nível de proteção contra a malária”.

Clique AQUI para consultar o resumo do artigo na Science e AQUI para ler o comunicado de imprensa da Sanaria.

Notícia sugerida por Elsa Fonseca

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close