Ciência

Astrónomo desvenda origem do nome da Serra da Estrela

O astrónomo português Fábio Silva quis compreender o porquê do nome "Serra da Estrela" e revela agora que as origens desta designação remontam à pré-história.
Versão para impressão

O mais alto pico de Portugal continental ganhou o seu nome pelas estrelas que o cobrem, muito antes de se imaginar que iria fazer parte deste país. O astrónomo português Fábio Silva quis compreender o porquê do nome “Serra da Estrela” e revela agora que as origens desta designação remontam à pré-história.

Os povos que habitaram a Serra da Estrela há seis mil anos atrás dispuseram os seus dólmens em função de uma única estrela: a Aldebaran. Todas estas construções de pedra, edificadas em redor da serra, têm as suas entradas viradas para o lugar onde, no horizonte, o astro nasce todos os anos, no mês de Abril.

Este ritual foi estudado por Fábio Silva (à esquerda), ex-aluno da Universidade de Aveiro (UAveiro) e doutorado em Astrofísica pela Universidade de Portsmouth , na Inglaterra. No artigo publicado no jornal londrino “Papers from the Institute of Archaeology”, o astrónomo explica a influência dos astros na pré-história, na Serra da Estrela e na vila de Carregal do Sal, em Viseu.

Image and video hosting by TinyPicEm entrevista ao jornal da UAveiro, Fábio Silva afirma que quis “verificar se existiria algum padrão a nível de orientação e implantação na paisagem e, mais concretamente, se esse padrão corresponderia a algum evento astronómico”. Ao longo de três anos, o astrónomo português visitou mais de cinquenta antas.

Para este estudo, o investigador teve também em conta as lendas locais que, apesar de não fazerem menção à estrela Aldebaran, falam de “um pastor que vivia no vale do Mondego e que, vendo uma estrela nascer sobre uma serra no horizonte, decide ir atrás dela”. De acordo com a lenda, “quando chega à Serra o pastor decide dar-lhe o nome de Serra da Estrela”.

Fábio Silva conta que, “estranhamente”, de dentro dos dólmens não se vê o pico da Serra da Estrela, “mas uma encosta”. “As únicas hipóteses possíveis eram o nascer do Sol por volta de 20 de Fevereiro ou o nascimento da estrela Aldebaran, a mais brilhante da constelação do Touro”, explica.

O nascimento da estrela Aldebaran “ocorria numa altura em que as comunidades da plataforma do Mondego teriam de começar a 'migração' para passarem os meses quentes na Serra da Estrela”, o que poderá explicar a orientação dos dólmens para este local como forma de marcar uma época do calendário daquela comunidade nómada.

Clique AQUI para aceder à entrevista de Fábio Silva com a UAveiro.

Notícia sugerida por Ana Rita

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub