Ciência

Astrónomo desvenda origem do nome da Serra da Estrela

O astrónomo português Fábio Silva quis compreender o porquê do nome "Serra da Estrela" e revela agora que as origens desta designação remontam à pré-história.
Versão para impressão

O mais alto pico de Portugal continental ganhou o seu nome pelas estrelas que o cobrem, muito antes de se imaginar que iria fazer parte deste país. O astrónomo português Fábio Silva quis compreender o porquê do nome “Serra da Estrela” e revela agora que as origens desta designação remontam à pré-história.

Os povos que habitaram a Serra da Estrela há seis mil anos atrás dispuseram os seus dólmens em função de uma única estrela: a Aldebaran. Todas estas construções de pedra, edificadas em redor da serra, têm as suas entradas viradas para o lugar onde, no horizonte, o astro nasce todos os anos, no mês de Abril.

Este ritual foi estudado por Fábio Silva (à esquerda), ex-aluno da Universidade de Aveiro (UAveiro) e doutorado em Astrofísica pela Universidade de Portsmouth , na Inglaterra. No artigo publicado no jornal londrino “Papers from the Institute of Archaeology”, o astrónomo explica a influência dos astros na pré-história, na Serra da Estrela e na vila de Carregal do Sal, em Viseu.

Image and video hosting by TinyPicEm entrevista ao jornal da UAveiro, Fábio Silva afirma que quis “verificar se existiria algum padrão a nível de orientação e implantação na paisagem e, mais concretamente, se esse padrão corresponderia a algum evento astronómico”. Ao longo de três anos, o astrónomo português visitou mais de cinquenta antas.

Para este estudo, o investigador teve também em conta as lendas locais que, apesar de não fazerem menção à estrela Aldebaran, falam de “um pastor que vivia no vale do Mondego e que, vendo uma estrela nascer sobre uma serra no horizonte, decide ir atrás dela”. De acordo com a lenda, “quando chega à Serra o pastor decide dar-lhe o nome de Serra da Estrela”.

Fábio Silva conta que, “estranhamente”, de dentro dos dólmens não se vê o pico da Serra da Estrela, “mas uma encosta”. “As únicas hipóteses possíveis eram o nascer do Sol por volta de 20 de Fevereiro ou o nascimento da estrela Aldebaran, a mais brilhante da constelação do Touro”, explica.

O nascimento da estrela Aldebaran “ocorria numa altura em que as comunidades da plataforma do Mondego teriam de começar a 'migração' para passarem os meses quentes na Serra da Estrela”, o que poderá explicar a orientação dos dólmens para este local como forma de marcar uma época do calendário daquela comunidade nómada.

Clique AQUI para aceder à entrevista de Fábio Silva com a UAveiro.

Notícia sugerida por Ana Rita

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close