Saúde

Vacina poderá ajudar organismo a combater o cancro

Uma equipa da Universidade de Tel Aviv desenvolveu uma vacina capaz de dar ao organismo dos doentes com cancro uma ferramenta para detetar e destruir os tumores.
Versão para impressão
Uma equipa de cientistas da Universidade de Tel Aviv, em Israel, desenvolveu uma vacina que poderá dar ao organismo dos doentes com cancro uma ferramenta para detetar e destruir as células cancerígenas que, normalmente, o sistema imunitário não consegue reconhecer como uma ameaça.
 
A terapia foca-se numa molécula – a MUC1 – que se encontra em cerca de 90% dos tipos de cancro e, no futuro, pode contribuir para a criação de uma vacina universal que permita ao sistema imunitário dos pacientes combater cancros comuns como o da mama ou o da próstata.
 
Os cientistas acreditam que esta vacina poderá ser usada para combater pequenos tumores detetados precocemente ou para prevenir o regresso e o alastrar da doença em pacientes que passaram, por exemplo, por cirurgias.
 
Segundo os especialistas, a molécula MUC1, que existe em grandes quantidades na superfície das células cancerígenas, tem capacidade de ajudar o sistema imunitário a detetar os tumores que costumam passar-lhe despercebidos. 
 
A molécula também existe nas células saudáveis, mas em níveis muito baixos, o que faz com que não exista perigo de ataque às células erradas. Quando o sistema imunitário de um paciente vacinado se encontra com as células cancerígenas, a elevada concentração de MUC1 permitirá que este localize e destrua o tumor, defendem os elementos da equipa.

Ensaios clínicos com resultados animadores
 

Os investigadores da universidade israelita levaram a cabo um ensaio clínico cujos resultados preliminares foram animadores ao mostrarem que a vacina consegue, de facto, melhorar a resposta imune e reduzir os níveis da doença, adianta o jornal The Telegraph.
 
A farmacêutica Vaxil Biotherapeutics, parceira da instituição de ensino universitário no desenvolvimento do fármaco, salientou, em comunicado, que foi obtida “uma resposta imune robusta e específica em todos os pacientes, que foi observada logo após a administração de 2 a 4 doses da vacina num máximo de 12 doses”.
 
De acordo com a Vaxil, em alguns dos pacientes, verificaram-se “sinais preliminares de eficácia clínica” e, embora os resultados ainda não tenham sido formalmente publicados, se as conclusões dos próximos também forem positivos, a vacina poderá estar disponível dentro de seis anos.
 
De sublinhar que, por ter fins terapêuticos, a vacina foi concebida para dar aos pacientes que já sofrem de cancro um mecanismo que possibilite a defesa do seu organismo e não para prevenir o aparecimento da doença.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub