Sociedade

Projeto luso incentiva reutilização de livros escolares

"Movimento pela Reutilização dos Livros Escolares" é o nome da iniciativa que começou no Porto pela mão de Henrique Trigueiros Cunha e, em menos de um ano, se espalhou pelo país.
Versão para impressão
“Movimento pela Reutilização dos Livros Escolares” é o nome da iniciativa que começou no Porto pela mão de Henrique Trigueiros Cunha e, em menos de um ano, se espalhou por todo o país. Hoje são já 63 os bancos portugueses que atuam como intermediários gratuitos de reutilização dos manuais.
 
por KIMI MAGANLAL
 

Professor e explicador das disciplinas de Matemática e Geometria, Henrique apercebeu-se de que com a entrada dos alunos nas universidades, os antigos livros escolares eram esquecidos, muitos deles em ótimo estado para uma segunda utilização. Foi a partir daqui que surgiu a ideia de um projeto de reutilização.
 

Começou pela cidade onde vive, o Porto, com a criação de um banco responsável por receber os manuais e dá-los a quem os fosse procurar por necessidade. Com o sucesso da ação, Henrique decidiu recorrer à rede social Facebook, em Agosto passado, para promover a iniciativa. 
 
Em entrevista ao Boas Notícias, o professor revelou que “a mensagem foi partilhada centenas de vezes e em pouco tempo criaram-se bancos a nível nacional”, sublinhando que esta reação das pessoas foi uma agradável surpresa.
 
Hoje já existem 63 bancos totalmente gratuitos em todo o país que funcionam dentro de outros organismos como cafés, gabinetes de estética, escolas ou clínicas. “O volume de livros utilizados anualmente, desde o 1º ciclo ao ensino secundário, é equivalente a 40 vezes a altura da ilha do Pico”, explicou Henrique. 

Benefícios para o orçamento e o ambiente
 

A reutilização destes manuais prende-se não só com a questão financeira, mas também com a ambiental, na medida em que racionaliza o uso dos recursos e promove a sustentabilidade.
 
O processo de reutilização é simples e depende apenas dos cidadãos. Quem estiver disposto a doar os manuais só tem de se deslocar ao banco mais próximo e depositá-los. Por outro lado, aqueles que precisam de recorrer à reutilização e querem dar-lhes uma segunda vida devem ir, também, a um dos bancos verificar se os manuais de que necessitam estão disponíveis.
 
A adesão tem sido grande e muitos colaboram apenas com o intuito de contribuir para uma iniciativa de cariz sustentável e solidário, sem terem qualquer necessidade. É no ensino secundário, porém, que se verifica uma maior taxa de reutilização, pois mesmo não sendo os manuais em vigor naquele ano letivo, são, muitas vezes, aproveitados para o estudo.
 
Ainda assim, Henrique revelou que “cerca de metade dos livros não chegam a ser reutilizados em Portugal”. Para estes existem outros destinos felizes: os manuais até ao 6º ano de escolaridade podem ser levados por uma ONG até à Guiné; os outros prosseguem para o Banco Alimentar, para um projeto de reciclagem, continuando a sua viagem sustentável.
 
Clique AQUI para saber mais sobre o “Movimento pela Reutilização dos Livros Escolares”.

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub