Ciência

Portugal: fósseis de plantas do Cretácico

Mário Miguel Mendes, jovem paleobotânico de 38 anos, descobriu fósseis de sementes, esporos, pequenas flores e pólens de plantas que existiram há mais de 135 milhões de anos no nosso país.
Versão para impressão
Mário Miguel Mendes, jovem paleobotânico de 38 anos, descobriu fósseis de sementes, esporos, pequenas flores e pólens de plantas que existiram há mais de 135 milhões de anos no nosso país.

O investigador da Universidade Nova de Lisboa e docente da Universidade de Évora procura reconstruir um retrato mais nítido do percurso evolutivo da flora do nosso planeta. Mas os seus estudos centram-se no chamado período Cretácico, entre há 146 milhões de anos e 66 milhões de anos, porque “está aí enraizada a vegetação actual”, conta ao Diário de Notícias.

O estudo dos fósseis é a chave para entender  “o que se passou em termos florísticos no passado”, refere ainda Mário Miguel Mendes.

A descoberta de três novas espécies de plantas e tantos outros fósseis do período Cretácico surgiu quando Mário Miguel Mendes fazia a sua pesquisa para o doutoramento. No terreno (entre Torres Vedras e Aveiro), recolheu, tratou e analisou o material recolhido, concluindo posteriormente que havia encontrado espécies novas com 135 milhões de anos.

O investigador português avança, assim, no estudo da evolução da vida vegetal no Cretácico e o seu grande objetivo é apurar como as plantas com flor acabaram por suplantar as outras. Mário não tem dúvidas que há ainda outras novas espécies à espera de ser descritas.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório