Ambiente

Pesca: Projetos nacionais destacados pela UE

NULL
Versão para impressão
Portugal vai estar presente numa conferência promovida pela Comissão Europeia subordinada ao tema do desenvolvimento sustentável das zonas pesqueiras. Na reunião vão ser destacadas e debatidas 30 iniciativas indicadas como exemplos de boas práticas, três das quais são de autoria portuguesa.

A conferência promovida pela FAR-NET Support Unit (FSU) vai decorrer em Bruxelas na próxima quinta e sexta-feira sob o tema “Futuro Sustentável para as Áreas Piscatórias”. Três projetos portugueses do norte e sul do país foram distinguidos pela organização, para constarem da lista de boas práticas na área das pescas.

Um das ideias distinguidas é da autoria do Conselho Empresarial dos Vales do Lima e Minho (CEVAL) e prende-se com a valorização dos produtos locais. O projeto tem o nome de “Km Zero” e engloba demonstrações de cozinha, conferências e visitas a mercados municipais.

Cinco restaurantes de Esposende, Viana do Castelo, Caminha e Vila Nova de Cerveira vão também estar associados ao projeto, servindo a marca Km Zero. Ao escolher esses restaurantes o consumidor terá a garantia de que vai consumir produtos da costa loca, explica a Lusa.

O objetivo do CEVAL é aproximar “todos os intervenientes na atividade pesqueira, do pescador ao consumidor final”, explicou José Carlos Amorim, diretor da entidade.”Estamos a incentivar a economia regional e do país”, explicou o responsável, que garantiu que “os grandes beneficiários são a classe piscatória”. Além disso, pretende-se internacionalizar empresários locais e aumentar as exportações.

Criar uma denominação de origem para a lampreia

Não é preciso andar muito para descobrir outra ideia de sucesso. O CertPiscis é um projeto que pretende valorizar produtos locais como a lampreia, o salmão, o sável e o meixão (enguia), criando mecanismos que assegurem também a sua sobrevivência. A ideia partiu do AquaMuseu do Rio Minho e nasceu em Setembro. Vai envolver cerca de 600 pescadores portugueses e galegos, autoridades marítimas, restauração, intermediários e agentes turísticos.

O responsável do AquaMuseu, Carlos Antunes, explicou à Lusa a importância de valorizar estas espécies. “Quando desaparecer o último casal reprodutor, deixa de haver salmão ou sável no rio Minho, pelo que importa passar a imagem de que os recursos estão a ser explorados de forma sustentável”.

No caso da lampreia, o responsável falou na criação de uma “denominação de origem”, e no caso do sável e do salmão ressalvou a importância de assegurar a “sustentabilidade dos recursos”, pesando os contras da pesca, da perda de habitat e da construção de barragens.

Aproveitar caranguejo para produzir medicamentos

Mais perto da capital, em Leiria, encontra-se o terceiro premiado. O Grupo de Investigação em Recursos Marinhos do Instituto Politécnico de Leiria prepara-se para lançar um projeto de investigação sobre o caranguejo pilado, abundante na costa portuguesa, mas alvo de arrastões pelas redes de pesca do cerco.

O projeto pretende “criar um circuito de valorização, envolvendo os pescadores, a ciência e as empresas biomédicas e de base tecnológica”, explicou à Lusa o coordenador do estudo, Sérgio Leandro. Os caranguejos são fonte de biopolímeros, nomeadamente a quitina, uma propriedade que pode ser aplicada no tratamento de queimaduras ou em comprimidos para emagrecer. Os caranguejos podem assim ser aproveitados em vez de rejeitados e devolvidos ao mar.

[Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes] 

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório