Ciência

Ouvir música ajuda a atenuar a perceção da dor

A música é capaz de atenuar a percepção da dor física nas crianças em ambiente hospitalar. A conclusão é de um novo estudo que vem provar que esta pode ser uma forma barata e fácil de tornar os procedimentos médicos menos penosos.
Versão para impressão
A música é capaz de atenuar a percepção da dor física nas crianças em ambiente hospitalar. A conclusão é de um novo estudo desenvolvido pela Universidade de Alberta, no Canadá, que vem provar que esta pode ser uma forma “barata e fácil” de tornar os procedimentos médicos menos penosos para os mais novos.
 
Entre 2009 e 2010, Lisa Hartling, investigadora daquela instituição universitária, e os seus colegas do Departamento de Pediatria, levaram a cabo um ensaio clínico envolvendo 42 crianças com idades entre os 3 e os 11 anos que se deslocaram às urgências do Stollery Children's Hospital e precisaram de administração intravenosa de medicamentos.
 
Algumas destas crianças ouviram música durante o procedimento e outras não, tendo os especialistas medido o nível de stress dos jovens pacientes, bem como os níveis de perceção da dor e o ritmo cardíaco e ainda a satisfação dos pais e dos prestadores de cuidados. 
 
“Encontrámos uma diferença na dor descrita pelas crianças – aquelas que ouviram música durante o procedimento, relataram ter sentido menos dor imediatamente depois”, explica Hartling em comunicado, considerando que “a descoberta é clinicamente importante e é algo simples que pode fazer uma grande diferença”.

Uma opção “fácil e sem custos” de aliviar a dor
 

“Pôr música a tocar para as crianças durante procedimentos médicos dolorosos poderá ser uma opção fácil e sem custos para utilização em contexto clínico”, defende a investigadora, que acrescenta que as crianças que ouviram música demonstraram também menos sinais de stress e ansiedade e que os seus pais revelaram maior satisfação quanto aos cuidados prestados.
 
Além disso, a música parece, também, facilitar o trabalho dos profissionais de saúde: 76% daqueles que efetuaram o procedimento ao som de música afirmaram que foi muito fácil fazê-lo, uma percentagem muito superior à dos que fizeram a mesma afirmação no grupo sem música (38%), relata o estudo publicado na revista científica JAMA Pediatrics.
 
Agora, Hartling e os colegas pretendem continuar as investigações nesta área, de forma a apurar se a música ou outro tipo de distrações podem ter ou não um grande impacto na tolerância das crianças à dor durante procedimentos complicados, já que a dor e o stress sentidos neste tipo de contexto podem ter “efeitos negativos a longo-prazo” na vida dos mais novos. 
 
“As evidências científicas de que o cérebro responde a diferentes tipos de música de formas diferentes continuam a crescer”, salienta a especialista. “Portanto, estudos adicionais para perceber como e por que razão a música pode ser uma boa distração da dor podem ajudar a fazer avançar esta área”, conclui. 
 
De realçar que estudos anteriores tinham já demonstrado que o tipo de música, o facto de ter ou não letra e de ser ou não familiar para o ouvinte pode, também, ter um impacto na perceção da dor física. 

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub