Fitness & Bem-estar

Oficina da Psicologia: Não olhe para a agulha!

Há um estudo recente que valida o bom senso de olharmos para ?o outro lado? quando vamos ser picados por uma agulha, para uma injeção ou uma análise clínica.
Versão para impressão

Há um estudo recente que valida o bom senso de olharmos para “o outro lado” quando vamos ser picados por uma agulha, para uma injeção ou uma análise clínica. De facto, as pessoas que estão a olhar para a agulha a picá-las reportam maior intensidade de dor do que as que não se importam nada que as achem menos corajosas porque olham para outro lado qualquer ou fecham os olhos.

[Por Madalena Lobo, Psicóloga Clínica]


Image and video hosting by TinyPic

Além disso, neste estudo confirmou-se que a experiência prévia, quando negativa – uma injeção que nos doeu significativamente no passado – bem como a expectativa que temos quanto à dor que vamos sentir (“Isto costuma doer”) aumenta a perceção da dor.

E a que propósito lhe trago estas conclusões? Bem, para além de úteis para médicos e enfermeiros, se forem amplificadas para outros contextos, nomeadamente na área da saúde mental, assumindo-se que dor é dor, seja de corpo ou de alma, serão importantes para todos nós.

Em primeiro lugar, gostaria que retivesse esta ideia: se é algo que provoca dor, então focar a sua atenção nisso irá, provavelmente, aumentar a experiência dolorosa. E, não… Não estou a fazer a apologia da estratégia da avestruz.

Apenas que muitos de nós caímos frequentemente na ratoeira da sobre-importância a questões que nos incomodam ou incomodaram, repetindo-os em conversas com um sem-número de amigos, repisando-os nos nossos pensamentos, ruminando incessantemente a propósito de amargos de boca, irritações, erros nossos, insucessos que nos entristeceram. Este tipo de holofote sobre questões a propósito das quais pouco ou nada há a fazer, tem por única consequência o prolongar do mal-estar e mesmo o seu aumento. Por isso, é melhor ir enterrando assuntos. Paz à sua alma!
 
Em segundo lugar, é boa ideia investirmos na procura de informação realista sobre as situações que antevemos como desagradáveis, não vá dar-se o caso de o cenário que criámos nas nossas fantasias ser muito pior do que a realidade (e o ser humano tem uma certa queda para a tragédia, quando se trata de imaginar o futuro). Aliás, a procura de informação objetiva e, mesmo, a criação de discursos internos realistas e fundamentados é um excelente treino para fomentar a saúde mental.
 
Já quanto às experiências passadas, que nos vão sensibilizando ao longo da vida, convém mantermos a perspetiva de que só porque no passado aconteceu algo de uma determinada forma, nada nos garante que essa forma se vá repetir – o contexto muda, nós mudamos… E nessa mudança reside toda a diferença, pelo que nos convém manter o espírito aberto à novidade que cada momento nos traz.
 
Referência do estudo: Marion Höfle, Michael Hauck, Andreas K. Engel, Daniel Senkowski. “Viewing a needle pricking a hand that you perceive as yours enhances unpleasantness of pain” in 'Pain' 2012

Image and video hosting by TinyPic
[Madalena Lobo é Diretora Geral da Oficina de Psicologia. Para saber mais sobre este projeto visite www.oficinadepsicologia.com ou http://www.facebook.com/oficinadepsicologia]

Comentários

comentários

Etiquetas

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório