Saúde

Música matou e diminuiu células cancerígenas

A "Quinta Sinfonia" de Ludwig van Beethoven, uma das músicas clássicas mais famosas da história, é capaz de destruir ou diminuir o tamanho de células cancerígenas Os testes de laboratório, realizados na Universidade Federal do Rio de Janeiro, abrem c
Versão para impressão
A “Quinta Sinfonia” de Ludwig van Beethoven, uma das músicas clássicas mais famosas da história, é capaz de destruir ou diminuir o tamanho de células cancerígenas Os testes de laboratório, realizados na Universidade Federal do Rio de Janeiro, abrem caminho a uma terapia contra a doença, através de timbres e frequências.

O objetivo é encontrar formas mais eficientes e menos tóxicas de combater o cancro: em vez de radioterapia, poderá ser possível, em breve, recorrer ao uso de frequências sonoras. O estudo baseou-se nas técnicas da musicoterapia habitualmente utilizada no tratamento de distúrbios emocionais.

Segundo Márcia Capella, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, coordenadora do estudo, esta experiência – que incidiu sobre células do cancro mamário – vem provar que a música pode ser usada noutro tipo de terapias.

Como as células cancerígenas duplicam a cada 30 horas, Márcia esperou dois dias entre a sessão musical e o teste dos seus efeitos. Neste prazo, 20% da amostragem de células que “ouviu” a música morreu. Entre as células sobreviventes, muitas perderam tamanho e granulosidade.

O resultado da pesquisa continua um mistério mesmo para os autores do estudo. Segundo o site oficial do departamento de oncobiologia da universidade, a composição “Atmosphères”, do húngaro György Ligeti, provocou efeitos semelhantes aos registados com Beethoven. Mas a “Sonata para 2 pianos em ré maior”, de Wolfgang Amadeus Mozart, uma das mais populares em musicoterapia, não teve efeito.



“Foi estranho, porque esta sonata provoca algo conhecido como o “efeito Mozart”, um aumento temporário do raciocínio espaço-temporal” – pondera a pesquisadora. “Mas ficámos felizes com o resultado. Acreditávamos que as sinfonias provocariam apenas alterações metabólicas, não a morte de células cancerígenas”, explica, citada pela Globo.

“Atmosphères”, diferentemente da “Quinta Sinfonia”, é uma composição contemporânea, caracterizada pela ausência de uma linha melódica. Os investigadores querem saber porque motivo duas músicas tão diferentes provocaram o mesmo efeito.

Em conjunto com um professor da Escola de Música Villa-Lobos, Márcia vai agora procurar esta resposta dividindo as músicas em partes. Pode ser que o efeito tenha  resultado não do conjunto da obra, mas especificamente de um ritmo, um timbre ou intensidade. 

Clique AQUI para aceder ao relatório oficial do estudo.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub