Ciência

Método luso permite acabar com testes em animais

Um teste pioneiro desenvolvido por investigadores portugueses para detetar a potencial reação alérgica da pele aos químicos permitirá reduzir significativamente os ensaios feitos em animais na indústria da cosmética.
Versão para impressão
Um teste pioneiro desenvolvido por uma equipa de investigadores do Centro de Neurociências (CNC) e da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra (UC) para detetar a potencial reação alérgica da pele aos químicos permitirá reduzir significativamente os ensaios feitos em animais na indústria da cosmética.
 
Este teste inovador “in vitro”, denominado Sensitiser Predictor, consegue avaliar a sensibilização cutânea e baseia-se na utilização de células de pele imortalizadas – a chamada linha celular – para apurar, por meio da análise de diversos parâmetros, o potencial alergénico cutâneo de químicos antes da sua introdução no mercado, substituindo, deste modo, os respetivos testes em animais. 
 
O método português resulta de sucessivos estudos realizados ao longo dos últimos seis anos pelos investigadores Bruno Neves, Teresa Cruz Rosete e Susana Rosa, tendo sido já distinguido com vários prémios nacionais e internacionais.
 
Além de “dar resposta à imposição legislativa da União Europeia no sentido de abolir a utilização de animais em testes de produtos da indústria de cosmética, é um método muito mais rápido do que os atuais que recorrem aos ensaios em ratinhos, mais económico e passível de ser usado em grande escala”, explica Teresa Cruz Rosete em comunicado enviado ao Boas Notícias. 

Patente internacional em fase de validação
 
Embora a União Europeia venha a pressionar, cada vez mais, a indústria da cosmética para pôr fim aos ensaios em animais, não existem ainda testes alternativos para diversos itens de toxicidade, nomeadamente a sensibilização cutânea. 
 
Por isso, defende Teresa Cruz Rosete, o Sensitiser Predictor poderá marcar “a mudança de paradigma na avaliação da toxicidade de compostos”. “A comunidade científica internacional está precisamente a apostar no desenvolvimento de métodos simples e rápidos para substituir os testes em animais”, conclui. 
 
O projeto, também financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) tem, atualmente, uma patente internacional em fase de avaliação, faltando-lhe ainda também a “validação do European Centre for Validation of Alternative Methods – ECVAM, para que possa ser considerado teste de referência ao nível da OCDE”, desvenda a investigadora do grupo de Imunologia Celular e Oncobiologia do CNC e docente da Faculdade de Farmácia da UC.
 
O grupo de investigadores da UC e do CNC, o único em Portugal a trabalhar, neste momento, no desenvolvimento de testes para a avaliação da sensibilização cutânea, cujo processo de avaliação de toxicidade é muito complexo, pretende agora alargar o teste a outras áreas, nomeadamente a alergias respiratórias. 

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub