Saúde

Medula: UMinho ajuda a prevenir infeções pós-transplante

Uma equipa internacional liderada pela Universidade do Minho (UMinho) identificou um fator genético que aumenta as probabilidades de pacientes submetidos a transplantes de medula óssea contraírem aspergilose, uma doença infeciosa.
Versão para impressão
Uma equipa internacional liderada pela Universidade do Minho (UMinho) identificou um fator genético que aumenta as probabilidades de pacientes submetidos a transplantes de medula óssea contraírem aspergilose, uma doença infeciosa com elevada taxa de mortalidade, o que poderá facilitar a prevenção desta patologia.
 
Em comunicado enviado ao Boas Notícias, a UMinho informa que a descoberta, recentemente publicada na prestigiada revista científica New England Journal of Medicine, abre portas para novas intervenções terapêuticas e permitirá realizar um rastreio específico no sentido de minimizar os riscos de desenvolvimento da doença. 
 
A aspergilose é uma doença infeciosa causada pelo fungo “aspergillus fumigatus” e que atinge principalmente os pulmões, apresentando como sintomas a febre, a tosse com sangue, a perda de peso, a icterícia, entre outros. A patologia pode, em última instância, resultar em morte se o início do tratamento não acontecer o mais depressa possível após o diagnóstico.
 
O trabalho agora dado a conhecer “contribui para aumentar a capacidade dos clínicos em definir subpopulações de elevado risco para o desenvolvimento de aspergilose invasiva, o que contribuirá para a definição e otimização de estratégias preventivas”, explica Agostinho Carvalho, do Laboratório Associado ICVS/3B’s da UMinho e da Universidade de Perugia, que coordenou a investigação.

Alterações no genoma do dador influenciam suscetibilidade à infeção

 
O estudo desenvolvido pelos investigadores demonstrou que alterações específicas no genoma humano do dador de medula influenciam de forma significativa a suscetibilidade de pacientes à infeção por aspergillus fumigatus (fungo responsável pela aspergilose).

Estas alterações no gene da pentraxina 3 (PTX3) do dador levam a uma redução considerável dos níveis de PTX3 no próprio doente durante o processo de reconstituição do sistema imunológico, o que diminui a sua capacidade de lutar contra a infeção e de a eliminar.

 
Para além das variações genéticas no sistema imunológico, há outros fatores que podem contribuir para o aumento de infeções fúngicas em pacientes sujeitos a transplantes de medula óssea. Cerca de 5% a 15% destes doentes desenvolvem infeções que resultam em taxas de mortalidade muito elevadas, embora existam fármacos para o efeito.
 
A investigação liderada pela Universidade do Minho, denominada “Genetic PTX3 Deficiency and Aspergillosis in Stem-Cell Transplantation”, contou com a colaboração de Fernando Rodrigues, do ICVS/3B's, bem como de grupos de investigação de várias universidades internacionais, a maior parte delas de Itália (Perugia, Parma, Milão, Católica do Sagrado Coração).
 
Na pesquisa, que recebeu financiamento da Comissão Europeia e da Fundação para a Ciência e Tecnologia, entre outras entidades nacionais e internacionais, participaram ainda as universidades de Leuven, na Bélgica, e de Regensburg e Friedrich Schiller, na Alemanha.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo publicado na New England Journal of Medicine (em inglês).

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub