Saúde

Meditação ajuda a reduzir risco de enfarte e AVC

Meditar pode contribuir, de forma significativa, para melhorar a saúde cardiovascular. A meditação tem potencial para reduzir a tensão arterial e diminuir o 'stress', ajudando, também, a controlar outros fatores de risco.
Versão para impressão
Meditar pode contribuir, de forma significativa, para melhorar a saúde cardiovascular. De acordo com a Fundação Espanhola do Coração (FEC), que se apoia numa série de estudos realizados na última década, a meditação tem potencial para reduzir a tensão arterial e diminuir o 'stress', ajudando, também, a controlar outros fatores de risco em pessoas com problemas cardíacos.
 
Segundo a FEC, a meditação transcendental – que se pratica durante 15 a 20 minutos, duas vezes por dia, devendo o indivíduo sentar-se confortavelmente e com os olhos fechados enquanto repete um 'mantra' – é a técnica mais benéfica para o coração, distinguindo-se pela sua “facilidade, naturalidade e eficácia”. 
 
Um estudo publicado na revista científica “Circulation” e citado, em comunicado, pelo organismo espanhol, revela que esta prática pode reduzir em até 48% o risco de morte precoce, enfarte do miocárdio e acidente vascular cerebral (AVC) em pacientes com doença coronária, graças à redução da tensão arterial e ao 'stress'. 
 
Este efeito protetor deve-se, explicam os cientistas, ao facto de a meditação reduzir a atividade do sistema nervoso simpático e a libertação de hormonas como o cortisol e a adrenalina, contrariando os efeitos desfavoráveis do 'stress' crónico sobre a frequência cardíaca e a tensão arterial.
 
Para chegar a estas conclusões, investigadores do Instituto de Medicina Natural e Prevenção da Universidade de Maharishi, nos EUA, analisaram um total de 201 homens e mulheres de raça negra (já que esta está associada a uma maior incidência de problemas cardiovasculares) com doença coronária, seguindo-os durante mais de cinco anos.
 
Durante o estudo, 102 participantes foram submetidos a um programa de meditação transcendental e 99 participantes integraram um programa educacional sobre saúde. Os elementos do primeiro grupo beneficiaram, graças à meditação, de uma redução de quase metade no risco de sofrer um evento cardiovascular, alcançando-se mesmo uma diminuição de 66% no caso das pessoas com situação mais complexa e que também praticavam meditação em casa. 
 
Além disso, observou-se também uma diferença significativa na redução da pressão arterial sistólica: os indivíduos que realizaram meditação registaram 4,9 mm Hg a menos do que os que integraram o programa educacional, bem como menos 1,5 mm Hg na pressão arterial sistólica. Verificaram-se, igualmente, melhorias no controlo do 'stress', da raiva, da depressão e da ansiedade. 

Relaxar para prevenir
 

“Parece inegável que as técnicas de relaxamento como a meditação têm um efeito positivo nos pacientes cardíacos. Porém, é preciso ter em conta que esta prática não pode substituir qualquer tratamento farmacológico e que é necessário, também, que o paciente adote um estilo de vida mais saudável”, afirma Francisco Ridocci, médico da FEC. 
 
Na opinião de Ridocci, “embora existam argumentos suficientes para acreditar que a meditação e, nomeadamente, a meditação transcendental, é benéfica para a saúde ao ajudar a diminuir a hipertensão arterial e a controlar o 'stress', seria interessante realizar mais estudos neste sentido para reconfirmar a teoria com uma amostra mais extensa e de diferentes etnias”. 
 
Em qualquer dos casos, realça a FEC, “considera-se que a prática da meditação poderá ser útil tanto na prevenção primária como secundária das doenças cardiovasculares”.
 

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório