Ciência

Marte pode conter vestígios de vida

Uma equipa de investigadores norte-americanos identificou rochas que podem conter restos fossilizados de vida em Marte. A equipa fez a descoberta a partir de análises de rochas antigas de uma região específica de Marte conhecida como Nili Fossae.
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores norte-americanos identificou rochas que podem conter restos fossilizados de vida em Marte. A equipa fez a descoberta a partir de análises de rochas antigas de uma região específica de Marte conhecida como Nili Fossae.

De acordo com os cientistas esta zona de Marte é um “retrato vivo” de uma região da Austrália onde se encontram os indícios mais antigos de vida na terra, enterrados e conservados na forma mineral.

Agora a equipa do Search for Extraterrestrial Intelligence Institute (Seti) na Califórnia, EUA, considera que os mesmos processos hidrotermais e bactérias que conservaram as marcas de vida nas rochas australianas se puderam dar também em Nili Fossae no passado.

“É nessa zona de Marte que se devem buscar indícios de vida; pode estar enterrada por baixo dessas rochas”, afirma Adrian Brown, investigador do Seti.

A investigação foi publicada na revista Earth and Planetary Science Letters onde afirma que se tratam de fósseis com 4000 anos de antiguidade.

O Nili Fossae é uma fratura na superfície de Marte que intrigou pela primeira vez os cientistas em 2008 graças à descoberta de rochas com minerais de carbonato. Quando um ser vive é enterrado converte-se sempre em carbonato, conforme explica a BBC News. Daí surgiu o primeiro sinal claro que poderia existir vida em Marte.

A nova investigação relacionou as características das rochas marcianas, recolhidas pelo espectrómetro de infravermelhos CRISM que orbita em Marte, com as rochas da zona semelhante da Austrália.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório