Sociedade

Lisboa oferece mais qualidade de vida que Nova Iorque

Lisboa está no 'top' das 50 cidades mundiais com melhor qualidade de vida. A capital portuguesa, que ocupa o 41.º lugar de um 'ranking' divulgado esta semana, aparece à frente de grandes metrópoles como Nova Iorque, nos EUA.
Versão para impressão
Lisboa está no 'top' das 50 cidades mundiais com melhor qualidade de vida. A capital portuguesa, que ocupa o 41.º lugar de um 'ranking' da consultora Mercer divulgado esta semana, subiu duas posições face ao ano passado e aparece à frente de grandes metrópoles como Nova Iorque, nos EUA. 
 
De acordo com o estudo “Quality of Living 2015” realizado pela empresa, que conta com 230 cidades, Viena é a que oferece melhor qualidade de vida no mundo. O topo da lista volta a ser dominado por cidades europeias, que partilham os lugares cimeiros com algumas das maiores cidades da Austrália e da Nova Zelândia.
 
Zurique, na Suíça, é a segunda melhor cidade para se viver, seguindo-se-lhe a cidade neozelandesa de Auckland, que completa o pódio. Do 'top 10' fazem ainda parte Munique, Dusseldorf e Frankfurt, todas na Alemanha, Vancouver, no Canadá, a única cidade da América do Norte entre as 10 melhores, Genebra, na Suíça, Copenhaga, na Dinamarca, e Sidney, na Austrália. 
 
Lisboa surge na 41.ª posição do 'ranking', posicionando-se imediatamente acima de cidades como Chicago (43.º) e Nova Iorque (44.º), nos EUA, e logo abaixo da capital inglesa, Londres (40.º). A capital portuguesa destaca-se, sobretudo, em termos de qualidade do ambiente económico e sociocultural e da disponibilidade de bens de consumo.
 
Em comunicado, a Mercer revela ainda que os pontos em que Lisboa, que subiu dois lugares face a 2014, apresenta um pior desempenho são o congestionamento do tráfego, as facilidades aeroportuárias e a poluição atmosférica. 
 
“Tal como aconteceu no estudo do ano passado, continuamos, este ano, a reconhecer as cidades emergentes que estão cada vez mais a tornar-se concorrentes dos tradicionais centros financeiros e empresariais”, afirma Tiago Borges, responsável da área de estudos de mercado da Mercer em Portugal.
 
Ainda assim, nota Tiago Borges, “as cidades europeias continuam a ser consideradas as melhores no que se refere aos padrões de qualidade de vida comparativamente com cidades localizadas noutras regiões”, muito graças à “estabilidade política e a uma taxa de criminalidade ainda baixa, em conjunto com boas condições ao nível da saúde, infraestruturas e entretenimento”. 
 
De realçar que a primeira cidade da Ásia a integrar o 'top' é Singapura, que ocupa o 26.º lugar, ao passo que o Dubai é o primeiro representante da região do Médio Oriente e África a aparecer na lista, na 74.ª posição. 
 
No que toca à América do Sul, Montevidéu, no Uruguai, é a cidade com melhor desempenho, tendo assegurado o 78.º lugar. Já a cidade de Bagdade, no Iraque, é a pior do mundo para se viver, ocupando a última posição (230.º) não só da sua região, mas a nível global. 

'Ranking' avaliou mais de 440 cidades mundiais
 

Para chegar às 230 melhores, a Mercer avaliou as condições de vida locais em mais de 440 cidades do mundo inteiro, analisando-as de acordo com 39 critérios divididos por 10 categorias, entre as quais o ambiente social e político, económico e sociocultural, a saúde, a educação, os serviços públicos e os transportes.
 
As pontuações atribuídas a cada critério permitem comparações entre cidades e destas comparações resulta “um índice de qualidade de vida que compara diferenças relativas entre dois locais”, explica a empresa de consultoria.
 
O objetivo do estudo “Quality of Living” é “auxiliar as empresas multinacionais e outras entidades empregadoras a remunerarem com justiça e rigor os colaboradores que sejam colocados em projetos internacionais, em alinhamento com as suas políticas e práticas de mobilidade social”. 
 
Em Portugal desde 1993, a Mercer, que, no nosso país, opera em Lisboa e no Porto, conta com uma equipa com mais de 160 profissionais.
 
A empresa, que desenvolve serviços de consultoria nas áreas de talentos, benefícios, pensões e investimentos tem mais de 20.000 colaboradores distribuídos por 43 países.

Clique AQUI para saber mais sobre este estudo (em inglês).

Notícia sugerida por Patrícia Guedes

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub