Ambiente

Jane Goodall chegou à Tanzânia há 50 anos

O Instituto Jane Goodall celebra esta semana o 50º aniversário da chegada de Jane Goodall ao lago Tanganyika, na Tanzânia onde se encontra hoje o Parque Nacional de Gombe. Goodall focou toda a sua vida no estudo dos primatas, e mostrou ao mundo atrav
Versão para impressão
O Instituto Jane Goodall celebra esta semana o 50º aniversário da chegada de Jane Goodall ao lago Tanganyika, na Tanzânia onde se encontra hoje o Parque Nacional de Gombe. Goodall focou toda a sua vida no estudo dos primatas, e mostrou ao mundo através das suas investigações científicas que os chimpanzés eram mais do que se pensava e não estavam assim tão longe do que é ser humano.

“Foi difícil para mim acreditar no que via”, relembra Jane Goodall, 76 anos, ao jornal The Guardian. “Na altura pensava-se que os humanos, e apenas os humanos, faziam uso de ferramentas. Tinha sido ensinada na escola que a melhor definição para o ser humano era o fazedor de ferramentas. E ali estava eu a observar um chimpanzé a fazer ferramentas em ação. Lembro-me deste dia tão vividamente como se tivesse sido ontem”, conta Goodall.

Observações seguintes feitas por Jane aos 26 anos comprovavam que não só os chimpanzés usavam ferramentas mas eram definitivamente os nossos “primos mais próximos” em termos de evolução. Abraçavam-se, trocavam beijos, faziam guerra, limpavam as lágrimas uns dos outros e as mães criavam laços com as crias.

Hoje poucas dúvidas restam de que as investigações e observações de Jane Goodall, que chegou com uma bolsa de estudo à Tanzânia precisamente a 14 de julho de 1960, foram de grande importância para o mundo.


Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório