Mundo

Irão: Professor rapa cabeça para travar bullying a aluno

Para por fim às agressões verbais e físicas de que um aluno seu estava a ser vítima, o professor decidiu rapar o seu cabelo ficando com uma aparência idêntica à do jovem.
Versão para impressão
O professor de uma escola primária, no Irão, percebeu que um dos seus alunos estava a ser vítima de bullying devido à sua doença rara que provoca calvície. Para por fim às agressões verbais e físicas de que o seu aluno estava a ser vítima, o professor decidiu rapar o seu próprio cabelo ficando com uma aparência idêntica à do jovem.

No início deste mês o professor publicou, na sua página do Facebook, uma foto sua (já de cabelo rapado) ao lado do aluno de oito anos Mahan Rahimi. Por baixo, lia-se a seguinte frase: “as nossas cabeças são sensíveis ao cabelo”.

“Mahan ficou muito isolado depois de ter ficado careca, o seu sorriso tinha desaparecido completamente e eu estava preocupado com o seu desempenho escolar. Por isso decidi rapar o cabelo para o ajudar a recuperar”, explicou o professor Ali Mohammadian ao jornal britânico The Guardian.

Em pouco tempo a publicação no Facebook de Mohammadian chamou a atenção de milhares de utilizadores que partilharam a fotografia. Alguns dias depois, inspirados pelo professor, todos os colegas de turma de Mahan decidiram rapar também o cabelo, gerando uma onda de solidariedade que surpreendeu Mohammadian.

A corajosa atitude do professor foi amplamente divulgada nos meios de comunicação do Irão e Ali Mohammadian tornou-se um verdadeiro herói nacional. Até mesmo o presidente do país, Hassan Rouhani, já elogiou publicamente o docente e o governo ofereceu ajuda financeira à família do aluno para procurarem um tratamento adequado para a sua doença.

“Estou tão feliz que esta história tenha tocado o coração de tantas pessoas e que tenha gerado reações tão positivas”, disse o professor de 45 anos ao The Guardian. Segundo Mohammadian, agora, “toda a gente na escola quer rapar o cabelo”.

Neste momento, uma equipa de médicos do hospital Razi, em Teerão, está a investigar a doença do jovem que deverá estar relacionada com o sistema imunitário. Os médicos estão em contacto com especialistas alemães para tentarem encontrar um eventual tratamento.

Notícia sugerida por Elsa Fonseca, Raquel Baêta, Elsa Martins e Maria da Luz

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub