Saúde

Hospital luso adota método para aproveitar plasma

O Hospital Amadora-Sintra está a utilizar um método para aproveitar o plasma dos dadores de sangue, que permitirá poupar 66 mil euros por ano e evitar o desperdício do componente sanguíneo.
Versão para impressão
O Hospital Amadora-Sintra está a utilizar um método para aproveitar o plasma dos dadores de sangue, que permitirá poupar 66 mil euros por ano e evitar o desperdício do componente sanguíneo. A instituição hospitalar começou a “inativar” o plasma há mais de três meses e já efetuou transfusões em doentes sem nenhuma complicação, com “boa resposta clínica”.
 
Em declarações à Lusa, Anabela Barradas, diretora do serviço de Imuno-Hemoterapia do Amadora-Sintra explicou que, antes de passar a recorrer a esta alternativa, o hospital comprava o plasma a “uma firma e saía muito mais caro”, além de ser deitado fora plasma de dadores.
 
“Estávamos à espera de uma solução nacional para inativação do plasma” mas, como tal solução não surgiu, o hospital decidiu começar a inativar o plasma dos dadores para transfundir aos doentes, esclareceu a responsável. 
 
Este é “um método de tratamento patogénico que se usa em toda a Europa e nos Estados Unidos” e que permite evitar que o plasma acabe no lixo, o que é particularmente relevante para que os dadores saibam que o seu plasma é aproveitado e para convencer mais pessoas a dar sangue.
 
Além disso, a alternativa em vigor no Amadora-Sintra representa também uma enorme poupança em termos monetários – mais precisamente, uma poupança superior a 50%. “Em 2011 gastei 122.940 euros e em 2012 vou gastar 54.617 euros”, adiantou Anabela Barradas.
 
A especialista aprendeu este método em Valência, Espanha, onde chegam a ser inativadas 2.500 unidades de plasma por dia. Atualmente, no hospital português, são tratadas, em média, 232 unidades de plasma por mês. 
 

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub