Em Destaque Turismo

Guia de Turismo Acessível “Lisboa para Todos”

O primeiro Guia de Turismo Acessível - "Lisboa para Todos" surge em resultado de mais uma medida do Plano de Acessibilidade Pedonal que a Câmara Municipal tem vindo a desenvolver no âmbito do Pelouro dos Direitos Sociais e da promoção da inclusão de pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.
Versão para impressão
por redação

O projeto, desenvolvido em parceria da Associação de Turismo de Lisboa, pretende ir ao encontro das necessidades de um público muito específico – as pessoas que se deslocam em cadeira de rodas.

Num formato que “cabe no bolso”, o guia pretende informar a procura e garantir uma maior segurança e conforto na viagem, apoiar os agentes turísticos a rentabilizar a oferta acessível e contribuir para o aumento da competitividade de Lisboa enquanto destino de turismo acessível.

Neste guia, é indicado um conjunto de locais, equipamentos e serviços que foram alvo de uma visita técnica por parte da Equipa do Plano de Acessibilidade Pedonal (CML), que aplicou um questionário de acessibilidades. Os equipamentos que demonstraram interesse em integrar este Guia tinham que cumprir um conjunto de requisitos mínimos necessários.

Assim, todas as pessoas com mobilidade condicionada têm a possibilidade de:

1) Entrar no edifício;
2) Circular autonomamente no seu interior;
3) Usufruir do serviço;
4) Utilizar uma instalação sanitária adaptada para pessoas com mobilidade condicionada.

De forma a permitir que os turistas se desloquem com segurança e conforto nas principais zonas turísticas da cidade, criou-se uma rede de percursos pedonais em: Belém, Baixa/ Cais do Sodré e Parque das Nações – tendo estes trajetos sido testados por utilizadores de cadeira de rodas. Existem, assim, dois tipos de percurso: o verde, passível de ser percorrido autonomamente e o laranja, onde o piso pode ser mais irregular e, por isso, o turista é aconselhado a fazê-lo com o acompanhamento de terceiros.

Para facilitar a leitura e o manuseamento dos utilizadores do guia, criou-se um sistema de símbolos através de pictogramas coloridos, de leitura simples e intuitiva. Ilustra-se: o tipo de piso, isto é, a existência de inclinação ou ressaltos; existência de casas-de-banho, unidades de alojamento, pontos de restauração e comércio acessíveis; existência de estacionamento reservado para pessoas com mobilidade condicionada ou estacionamento com serviço de valet parking.

“Lisboa para Todos” está editado em português e em inglês do qual constam: 23 hotéis, 28 estabelecimentos de restauração, para além de seis jardins e miradouros e dezoito 18 pontos de atração turística. São, ainda, sugeridos cinco tours acessíveis no município de Lisboa, dois na região de Lisboa e quatro na região Centro de Portugal.

O guia contempla, também, oferta sobre dois importantes destinos turísticos, que pela sua proximidade a Lisboa, tem atraído muitos turistas: Sintra e Cascais. Sintra, classificada como Património Cultural e Património da Humanidade, pela UNESCO desde 1995, encara a acessibilidade no turismo como uma prioridade, “considerando que o acesso às artes e à cultura é um direito de todos os cidadãos”; razão pela qual “a Parques de Sintra – Monte da Lua encarou como fundamental tornar o Património Cultural e Natural das propriedades que gere, como inclusivo e acessível”. São, então, sugeridos três palácios, o Castelo dos Mouros e o Parque de Monserrate. Por sua vez, Cascais é enunciado não só pela sua gastronomia, mas, também, pelos pontos de interesse cultural que dispõe, sendo indicados três museus e dois centros culturais. São, ainda, aconselhadas quatro Praias Acessíveis – Praia para Todos!

Encontramos um capítulo dedicado aos transportes, no qual é descrita a rede de transportes públicos e privados da cidade. As condições de acessibilidade do – aeroporto (serviço My Way); Metro de Lisboa; autocarros da Carris; CP – Comboios de Portugal (serviço SIM); operadoras de transporte turístico – City Sightseeing Lisboa; Carristur – Yellow Bus; Cityrama – Grayline; – táxi – foi analisada e redigida por um colaborador da CML que se desloca em cadeira de rodas e conhece a realidade deste sector.

O guia oferece, ainda, um conjunto de informações sobre assistência pessoal e aluguer e reparação de material técnico. Este instrumento termina com uma listagem de contactos úteis.

Com a materialização deste instrumento de promoção da oferta turística acessível de Lisboa, a Equipa do Plano de Acessibilidade Pedonal da Câmara Municipal de Lisboa apresenta uma estratégia para se promover junto do mercado com necessidades especiais, atraindo, deste modo, cada vez mais turistas à capital e aumentado assim a sua competitividade enquanto Destino de Turismo Acessível.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório