Fitness & Bem-estar

Dois ingredientes garantem a felicidade do casal

O psicólogo John Gottman passou a vida a estudar o que define o fracasso ou sucesso dos relacionamentos. Após analisar 130 casais com uma equipa de investigadores, definiu dois ingredientes essenciais nas relações duradouras: bondade e generosidade.
Versão para impressão
O psicólogo John Gottman passou a vida a estudar o que define o fracasso ou sucesso dos relacionamentos. Após analisar 130 casais com uma equipa de investigadores, definiu dois ingredientes essenciais nas relações duradouras: bondade e generosidade.

A análise foi levada a cabo no “Lab Love” da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, em duas fases separadas por seis anos.

Na primeira fase os casais (recém-casados) foram ligados a elétrodos enquanto respondiam a questões sobre os seus relacionamentos – como se conheceram, que conflitos estavam a enfrentar juntos e que memórias positivas partilhavam.

À medida que a conversa decorria, os elétrodos registavam dados como a pressão arterial, ritmo cardíaco e suor produzido pelos intervenientes. Os casais também foram monitorizados enquanto realizavam tarefas do dia-a-dia juntos.

A segunda fase, seis anos mais tarde, levou os investigadores a retomar contacto com os mesmos 130 casais para perceberem se ainda continuavam juntos.

Mestres ou desastres em relações ?

No fim da primeira fase, e com base nos dados registados pelos elétrodos, os investigadores classificaram os casais em dois grupos distintos: mestres ou desastres.

Enquanto que na segunda fase os casais-mestre permaneceram juntos e felizes, os resultados revelaram-se diferentes nos casais-desastre, que se encontravam ou separados ou juntos (mas infelizes).

Apesar dos casais-desastre se mostrarem calmos durante as entrevistas, os dados recolhidos pelos elétrodos mostravam o contrário: os casais desta categoria apresentavam ritmo cardíaco acelerado, glândulas de suor ativas e fluxo sanguíneo rápido.

Em jeito de  contraste, os “mestres” revelavam poucos estímulos fisiológicos – fisicamente estavam mais calmos e apresentavam comportamentos mais afetuosos, incluindo em cenários de discussão.

Os investigadores descobriram uma relação longitudinal entre a atividade psicológica e a longevidade das relações: quanto mais ativos fisicamente estivessem, mais depressa as relações se deterioravam com o tempo.

Os casais-desastre apresentavam fortes estímulos físicos, como se estivessem numa situação de perigo ou ameaça (“fight-or-flight mode”). Para esses casais, um simples diálogo seria equiparado a uma situação de sobrevivência.

Estas reações fisiológicas não foram verificadas em casais-mestre, onde o clima de confiança e intimidade proporcionava maior conforto emocional e físico.

Interesse e atenção

A generosidade é fundamental num relacionamento, segundo as conclusões. A escolha do tom de resposta, mesmo em questões rotineiras, é decisiva para o futuro e qualidade das relações.

Uma resposta num tom bondoso pode transmitir mais interesse pelos gostos do parceiro, fortalecendo a conexão entre ambos. Pelo contrário, responder num tom indiferente ou agressivo transmite desinteresse. São estas interações do quotidiano que determinam a longevidade e o bem-estar do matrimónio.

Os casais que se divorciaram após o acompanhamento de seis anos tinham devolvido o interesse pelas questões dos parceiros apenas em 33% das ocasiões. Só três em cada dez propostas de conexão emocional foram recebidas com intimidade.

Já os casais que ainda estavam juntos apresentavam índices de interesse em 87% das ocasiões: nove em cada dez vezes correspondiam às necessidades emocionais dos parceiros.

A conclusão é que os dois ingredientes podem salvar uma relação, em particular se aplicados diariamente, mesmo em pequenas doses.

Comentários

comentários

Etiquetas

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório