Saúde

Cogumelos podem prevenir cancro do colo do útero

Os cogumelos podem ajudar a prevenir o cancro do colo do útero. A conclusão é de uma investigação norte-americana que revelou que um composto feito a partir de extratos de cogumelos japoneses conseguiu erradicar, em apenas 90 dias, o HPV.
Versão para impressão
Os cogumelos podem ajudar a prevenir o cancro do colo do útero. A conclusão é de uma investigação norte-americana que revelou que um composto feito a partir de extratos de cogumelos japoneses – entre os quais os cogumelos shiitake – conseguiu erradicar, em apenas 90 dias, o vírus do papiloma humano (HPV) que é, com frequência, causador da doença.
 
Os resultados do estudo, conduzido por Judith A. Smith, da Faculdade de Medicina da Universidade do Texas, foram apresentados recentemente numa conferência da Society of Gynecological Oncology, que decorreu na Flórida, EUA, e espalharam otimismo entre os cientistas.

O AHCC (sigla em inglês para Active Hexose Correlated Compound) é um composto natural que modula o sistema imunitário, obtido a partir de uma fração específica (o “mycelium”) de cogumelos medicinais cultivados no Japão. 
 

No decurso da investigação, Smith e os colegas trataram células do cancro do colo do útero com o composto em questão e incubaram-nas por 72 horas recolhendo amostras a cada 24 horas. Posteriormente, o estudo foi repetido em dois modelos animais (ratinhos), um com HPV e outro sem o vírus.
 
Os investigadores conseguiram, com recurso a este tratamento, erradicar o vírus após a administração de uma dosagem diária de AHCC ao longo de 90 dias. Depois, o estudo foi repetido e a equipa de Smith realizou amostras adicionais para compreender qual o mecanismo que faz com que o composto consiga eliminar o HPV.
 
Os dados obtidos durante o estudo sugerem que o AHCC é capaz de curar as infeções com o vírus do papiloma humano, podendo, portanto, desempenhar um papel importante na prevenção de cancros relacionados com o HPV, em particular o cancro do colo do útero. Os investigadores estão agora a preparar-se para conduzir um estudo-piloto nos EUA.
 
“Os resultados deste estudo são muito encorajadores”, afirmou Smith, citada em comunicado, na conferência norte-americana, acrescentando que a investigação, que arrancou em 2008, comprova que, “por si próprio, o AHCC tem o potencial de tratar a infeção por HPV”. 

Composto funciona como agente de imunoterapia
 

Segundo os especialistas, este composto funciona como um agente de imunoterapia, uma solução que se socorre do próprio sistema imunitário dos pacientes para ajudar a combater doenças. Consegue, deste modo, aumentar e fortalecer o número e atividade das células responsáveis por responder a infeções e bloquear a proliferação de tumores. 
 
De acordo com Smith, trata-se de um “suplemento nutricional comum e bem tolerado que é usado há décadas” naquele país. “Estou muito entusiasmada por estar a trabalhar numa abordagem nutricional na busca por um tratamento para as infeções por HPV”, acrescentou a investigadora.
 
“Anteriormente, já tinhamos demonstrado que um regime antirretroviral permitia erradicar, com sucesso, a infeção por HPV, mas queríamos desenvolver um protocolo mais benigno, já que estes medicamentos têm uma série de efeitos secundários”, concluiu. 

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado na revista científica Pharmacotherapy (em inglês).

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub